HOME > Poder

Odebrecht pagou propinas ao PMDB após reunião decisiva com Temer

Após cruzar informações com datas e relatos de propina e corrupção, Rodrigo Janot conseguiu traçar a rota da propina entre a Odebrecht e o grupo comandado por Michel Temer; os valores são oriundos de contrato de US$ 825 milhões entre a construtora e a área Internacional da Petrobrás, segundo os colaboradores; Janot ressalta que depósitos realizados no exterior pela empreiteira, supostamente em benefício do PMDB, foram feitos em datas próximas a uma reunião em que Temer teria comparecido, ao lado de executivos e também dos ex-presidentes da Câmara, Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves

Após cruzar informações com datas e relatos de propina e corrupção, Rodrigo Janot conseguiu traçar a rota da propina entre a Odebrecht e o grupo comandado por Michel Temer; os valores são oriundos de contrato de US$ 825 milhões entre a construtora e a área Internacional da Petrobrás, segundo os colaboradores; Janot ressalta que depósitos realizados no exterior pela empreiteira, supostamente em benefício do PMDB, foram feitos em datas próximas a uma reunião em que Temer teria comparecido, ao lado de executivos e também dos ex-presidentes da Câmara, Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves (Foto: Giuliana Miranda)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, cruzou datas de reuniões relatadas por delatores da Odebrecht com as de pagamentos supostamente feitos pela empreiteira em benefício de Michel Temer e de peemedebistas, traçando assim a rota da propina do PMDB.

Os valores são oriundos de contrato de US$ 825 milhões entre a construtora e a área Internacional da Petrobrás, segundo os colaboradores. Janot ressalta que depósitos realizados no exterior pela empreiteira supostamente em benefício do PMDB foram feitos em datas próximas a uma reunião em que Temer teria comparecido, ao lado de executivos e também dos ex-presidentes da Câmara, Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves.

Comprovantes de pagamentos no exterior, planilhas e os relatos dos executivos da empreiteira embasam a denúncia contra o ‘quadrilhão do PMDB’, supostamente liderado pelo presidente e integrado pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima, os ex-presidentes da Câmara Henrique Eduardo Alves e Eduardo Cunha, o ex-assessor especial de Temer, Rodrigo Loures, e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco.

Somando todos os supostos esquemas dos peemedebistas, o procurador-geral chegou à cifra de R$ 587 milhões em propinas.

As informações são de reportagem de Luiz Vassalo e Julia Affonso no Estado de S.Paulo.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: