Padilha: “em time que está ganhando não se mexe”

Delatado por executivos da Odebrecht e prestes a ser investigado no Supremo Tribunal Federal, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse nesta segunda-feira, 13, ao retornar ao trabalho que não vai sair do governo; "Em time que está ganhando não se mexe", afirmou; segundo Padilha, "só citação de delator não é motivo para nada"; "Os médicos disseram que sou doido, mas eu precisava voltar", disse o braço-direito de Temer, que usava quatro senhas para receber propinas

Brasília - O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, participa da reunião dos Grupos de Trabalho (GT) do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) na sede da Escola Nacional de Administração Pública (Enap) (José Cruz/Agência Brasil)
Brasília - O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, participa da reunião dos Grupos de Trabalho (GT) do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) na sede da Escola Nacional de Administração Pública (Enap) (José Cruz/Agência Brasil) (Foto: Aquiles Lins)

247 - Delatado por executivos da Odebrecht e na iminência de ver seu nome entre os principais da segunda edição da chamada Lista de Janot, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, reagiu com ironia nesta segunda-feira, 13, no seu retorno ao trabalho, após licença médica de 21 dias. 

Padilha reafirmou que não pedirá demissão, nem será demitido por Michel Temer. "Em time que está ganhando não se mexe. Só citação de delator não é motivo para nada", afirmou o braço-direito de Temer, que usava quatro senhas para receber propinas.

Questionado se faria um pronunciamento para esclarecer acusações de delatores da Odebrecht, segundo as quais teria recebido R$ 4 milhões da empreiteira na campanha eleitoral de 2014, Padilha respondeu que não.

"O presidente Michel Temer já firmou a linha de posicionamento do governo", argumentou ele, numa referência ao parâmetro estabelecido por Temer para que ministros deixem a equipe. Pela linha de corte fixada por Temer, quem for denunciado será afastado para investigação. Se algum auxiliar virar réu, porém, terá de sair do governo.

Conheça a TV 247

Mais de Poder

Ao vivo na TV 247 Youtube 247