Para se manter no cargo, Temer libera R$ 19,5 mi em emendas de ministros do PSDB

Para conseguir o apoio necessário para barrar ao andamento da denúncia de corrupção passiva na Câmara, Michel Temer liberou R$ 19,5 milhões para três dos quatro ministros do PSDB que integram o seu governo; medida beneficiou projetos apresentados pelos ministros tucanos da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, Relações Exteriores, Aloysio Nunes, e das Cidades, Bruno Araújo; apoio do PSDB, que ameaça desembarcar do governo, é considerado fundamental para barrar a denúncia na Câmara

Para conseguir o apoio necessário para barrar ao andamento da denúncia de corrupção passiva na Câmara, Michel Temer liberou R$ 19,5 milhões para três dos quatro ministros do PSDB que integram o seu governo; medida beneficiou projetos apresentados pelos ministros tucanos da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, Relações Exteriores, Aloysio Nunes, e das Cidades, Bruno Araújo; apoio do PSDB, que ameaça desembarcar do governo, é considerado fundamental para barrar a denúncia na Câmara
Para conseguir o apoio necessário para barrar ao andamento da denúncia de corrupção passiva na Câmara, Michel Temer liberou R$ 19,5 milhões para três dos quatro ministros do PSDB que integram o seu governo; medida beneficiou projetos apresentados pelos ministros tucanos da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, Relações Exteriores, Aloysio Nunes, e das Cidades, Bruno Araújo; apoio do PSDB, que ameaça desembarcar do governo, é considerado fundamental para barrar a denúncia na Câmara (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Para conseguir o apoio necessário para barrar ao andamento da denúncia de corrupção passiva na Câmara, Michel Temer liberou R$ 19,5 milhões para três dos quatro ministros do PSDB que integram o seu governo. A medida beneficiou projetos apresentados pelos ministros tucanos da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, Relações Exteriores, Aloysio Nunes, e das Cidades, Bruno Araújo. A ministra de Direitos Humanos, Luislinda Valois, não é parlamentar. O apoio do PSDB, que ameaça desembarcar do governo, é considerado fundamental por Temer para barrar a denúncia na Câmara.

Desde que a delação premiada da JBS foi divulgada, temer já liberou R$ 4,1 bilhões em emendas parlamentares, ouse já, 97% de todo o valor empenhado para o exercício. A sessão de votação da denúncia está prevista para esta quarta-feira (31) e liberação das emendas é vista como uma espécie de moeda de troca para que temer permaneça no cargo.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), avalia que ao liberar emendas dos deputados que controlam ministérios, Temer estaria incorrendo no crime de responsabilidade ao usar recursos públicos para se manter no cargo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247