Parem de brigar, meninos

Presidente Dilma manda ministros da Fazenda e da Casa Civil fumarem o cachimbo da paz



A briga começou com estocadas de ironia. Nas reuniões palacianas, o ministro chefe da Casa Civil, Antônio Palocci, passou a ser irônico com o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Ele insinuava que não seria possível ter reuniões às sextas-feiras porque nestes dias da semana Mantega costuma viajar para São Paulo, onde mora. “Não vai ser possível, não é sr. ministro?”, afirmava Palocci, “o sr. ministro precisa viajar”. Essas declarações publicadas na imprensa e não desmentidas. O assunto foi parar na prestigiada coluna do jornalista Elio Gaspari, na Folha de S. Paulo, que informou sobre o processo de fritura de Mantega. O motivo de fundo do enfrentamento está em divergências de Palocci com a política econômica desenvolvida atualmente na Fazenda que ele próprio ocupou nos primeiros tempos do governo Lula.

Antes, porém, que o clima piorasse, a presidente Dilma Rousseff interferiu para mostrar quem realmente manda. Segundo a jornalista Renata Lo Prete, também da Folha, Dilma chamou ambos para uma conversa, mandou parar com isso e ainda avisou que daria demonstrações públicas de apoio a Mantega. Dilma almoçou em seu gabinete com o ministro da Fazenda um dia depois da fritura anunciada por Gaspari e, para reforçar, abriu sua agenda do dia seguinte com outra reunião com Mantega. À jornalista Claudia Safatle, do Valor Econômico, Dilma entrou no mérito da discussão. “Ou eles vivem juntos, ou morrem juntos”.

Depois da ‘enquadrada’ de Dilma, Palocci cessou suas críticas e Mantega sentiu-se prestigiado. O que não significa que os motivos para as diferenças de visão econômica – ou, ao menos, de onde é melhor um ministro morar – tenham acabado. Eles entraram num processo que, em política, se chama paz armada, a pax.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email