Pesquisa mostra o pessimismo como causa da queda de Dilma

Há piora em pontos altamente sensíveis das expectativas do brasileiro em relação ao futuro, sobretudo na percepção do que ocorrerá com o mercado de trabalho

* Originalmente publicado no Blog da Cidadania

114ª rodada da pesquisa CNT/MDA, que foi a campo entre 7 e 10 de julho, contrasta fortemente com a 113ª, levada a campo entre 1 e 5 de junho. Entre as datas de conclusão das duas pesquisas, passaram-se 35 dias. Nesse período, no cenário mais provável para a eleição de 2014 Dilma Rousseff perdeu 19,4 pontos percentuais, Marina Silva ganhou 8,2 pontos, Aécio Neves perdeu 1,8 pontos e Eduardo Campos ganhou 3,7 pontos.

A aprovação do desempenho pessoal de Dilma caiu 24,4 pontos, indo de 73,7% na pesquisa anterior para 49,3% nesta, e a desaprovação ao seu governo subiu de 20,4% para 47,3%, uma alta de 26,9 pontos, ou 131,8% de aumento na desaprovação à presidente da República.

Já a aprovação ao governo caiu de 54,2% para 31,3%, perda de 22,9 pontos devido, sobretudo, ao aumento dos percentuais de ruim (que foi de 5,5% para 13,9%) e péssimo (que foi de 3,5% para 15,6%).

A própria pesquisa explica a razão de piora tão acentuada no capital político de Dilma Rousseff e de seu governo. Há piora em pontos altamente sensíveis das expectativas do brasileiro em relação ao futuro, sobretudo na percepção do que ocorrerá com o mercado de trabalho, no qual a expectativa de aumento do desemprego saltou de 11,5% em junho para 20,4% em julho.

A expectativa em relação a queda do nível de renda ficou praticamente igual (8,5% em junho e 8,8% em julho). A expectativa sobre piora na saúde também (24,2% em junho e 25,7% em julho). A expectativa sobre piora na educação, idem (de 17% em junho e 18,1% em julho).

Mas é em outra área que causa alarme pelo imediatismo de suas oscilações na qualidade de vida das pessoas que ocorreu outra grande piora de expectativas: na segurança pública, os que acham que ela vai piorar passaram de 17,1% para 24,1%.

Nesse aspecto, os protestos de rua em junho aparecem como os indutores dessa sensação de piora na economia e na segurança.

Com 84% de aprovação a manifestações de rua que se concentraram com muito mais força em críticas ao governo federal e à sua titular, a queda de Dilma e de sua administração nem chega a ser tão ruim quanto poderia, o que se explica pelo entendimento de parcela minoritária da população de que o que está ruim nessa área também se deve a governos estaduais e municipais.

Eis que o medo do desemprego desponta como o principal problema para a imagem do governo federal e para a da sua titular. Os protestos de rua conferiram credibilidade aos vaticínios que a grande mídia vinha fazendo sobre piora na economia e, consequentemente, no meio de sobrevivência de todos: o emprego.

A percepção sobre segurança pública afeta menos o governo federal porque ele divide a responsabilidade com governos estaduais e municipais. Dessa maneira, o melhor caminho para Dilma e seu governo recuperarem aprovação está em conseguir impedir que os problemas na economia que os transtornos de junho ainda irão gerar se reflitam no nível de emprego. Se houver piora nesse setor, a coisa vai ficar feia.

Conheça a TV 247

Mais de Poder

Ao vivo na TV 247 Youtube 247