Pesquisas do PT indicam 'derretimento da base social'

De acordo com estudo interno do partido, trabalhadores e famílias beneficiadas por políticas de inclusão de gestões petistas dizem não tolerar mais a corrupção e reclamam que as medidas recentes do Planalto não condizem com as bandeiras defendidas na campanha; segundo a colunista Vera Magalhães, o ex-presidente Lula avaliou que a crise de popularidade de Dilma é "recuperável", mas destacou que o governo precisa de mais "atitude"

De acordo com estudo interno do partido, trabalhadores e famílias beneficiadas por políticas de inclusão de gestões petistas dizem não tolerar mais a corrupção e reclamam que as medidas recentes do Planalto não condizem com as bandeiras defendidas na campanha; segundo a colunista Vera Magalhães, o ex-presidente Lula avaliou que a crise de popularidade de Dilma é "recuperável", mas destacou que o governo precisa de mais "atitude"
De acordo com estudo interno do partido, trabalhadores e famílias beneficiadas por políticas de inclusão de gestões petistas dizem não tolerar mais a corrupção e reclamam que as medidas recentes do Planalto não condizem com as bandeiras defendidas na campanha; segundo a colunista Vera Magalhães, o ex-presidente Lula avaliou que a crise de popularidade de Dilma é "recuperável", mas destacou que o governo precisa de mais "atitude" (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Pesquisas internas do PT indicam que a crise do segundo mandato de Dilma Rousseff provocou um "derretimento da base social" do governo, segundo a colunista Vera Magalhães.

No estudo, trabalhadores e famílias beneficiadas por políticas de inclusão de gestões petistas dizem não tolerar mais a corrupção e reclamam que as medidas recentes do Planalto não condizem com as bandeiras defendidas na campanha.

Aos aliados, o ex-presidente Lula avaliou que a crise de popularidade de Dilma é "recuperável", mas destacou que o governo precisa de mais "atitude".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247