Petista defende salvação de Cunha para evitar o “pior dos mundos”

Deputado José Geraldo (PT-PA) defendeu que os três parlamentares petistas que integram o Conselho de Ética da Câmara façam um "sacrifício pelo país" e votem pela não cassação do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ); objetivo, segundo ele, é evitar uma instabilidade institucional do Congresso e também para que não aconteça "o pior dos mundos", que seria a abertura de um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff

Deputado José Geraldo (PT-PA) defendeu que os três parlamentares petistas que integram o Conselho de Ética da Câmara façam um "sacrifício pelo país" e votem pela não cassação do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ); objetivo, segundo ele, é evitar uma instabilidade institucional do Congresso e também para que não aconteça "o pior dos mundos", que seria a abertura de um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff
Deputado José Geraldo (PT-PA) defendeu que os três parlamentares petistas que integram o Conselho de Ética da Câmara façam um "sacrifício pelo país" e votem pela não cassação do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ); objetivo, segundo ele, é evitar uma instabilidade institucional do Congresso e também para que não aconteça "o pior dos mundos", que seria a abertura de um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff (Foto: Gisele Federicce)

247 - Alinhado ao governo federal, o deputado José Geraldo (PT-PA) defendeu que os três parlamentares petistas que fazem parte do Conselho de ética da Câmara dos Deputados façam um "sacrifício pelo país" e votem pela não cassação do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), como forma de evitar "o pior dos mundos", que seria a abertura de um processo de impeachment como retaliação por parte do presidente da Câmara.

Os parlamentares do PT que integram o Conselho se reunirão ao longo desta terça-feira (1) para discutir o assunto. O Conselho de Ética decidirá nesta terça se existem indícios suficientes para dar prosseguimento com o processo contra Cunha.

Como argumento, José Geraldo destaca que a admissibilidade do processo de cassação contra Cunha resultaria em uma instabilidade institucional do Congresso nacional, o que acabaria por inviabilizar votações importantes como o ajuste fiscal. "Defendo a reflexão que devemos votar pelo país, não pelo Cunha. Não acreditamos no Cunha, mas o que pode acontecer no país amanhã pode ser o pior dos mundos", disse o parlamentar.

Segundo ele, a posição quer adotou pode até ser "incompreendida" por parte do próprio PT, mas que se salvar Cunha signifique "salvar o Brasil", ela até se setirá "poderoso" por ter contribuído para isso. "A possibilidade de ter as duas Casas Legislativas enfraquecidas é muito ruim para o país", disse.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247