Planalto se recusa a responder se Wassef já atuou como advogado de Bolsonaro

Em meio à tentativa de distanciamento de Jair Bolsonaro do seu amigo Fabrício Queiroz, preso na semana passada, o Palácio do Planalto se recusou a responderse Frederick Wassef atua ou já atuou como advogado do presidente

Jair Bolsonaro e Frederick Wassef
Jair Bolsonaro e Frederick Wassef (Foto: Reuters | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em meio à tentativa de distanciamento de Jair Bolsonaro do seu amigo Fabrício Queiroz, preso na semana passada, o Palácio do Planalto se recusou a responder um questionamento do jornal O Globo, nesta terça-feira (23), sobre se Frederick Wassef atua ou já atuou como advogado do presidente. Queiroz foi encontrado pela polícia na última quinta-feira em uma casa de Wassef em Atibaia, no interior de São Paulo.

"O Planalto não comentará o assunto", respondeu a Secretaria de Comunicação (Secom), no fim da tarde da segunda-feira. A reportagem questionou o Planalto na manhã da última sexta-feira, um dia após a prisão do ex-policial militar e ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente. Wassef também foi procurado, por ligação e mensagem, mas não respondeu.

Contrariando Wassef, que representava Flávio e declarava ser advogado também de seu pai, a advogada Karina Kufa divulgou uma nota na quinta-feira afirmando que o seu escritório é responsável por todas ações envolvendo o presidente Jair Bolsonaro, incluindo a ação penal que investiga a facada sofrida pelo presidente na campanha eleitoral, em 2018.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247