PMDB usou fundo partidário para bancar festa interna

Um congresso da Fundação Ulysses Guimarães que custou mais de R$ 277 mil, almoços de até R$ 9.000 e uma 'confraternização' de fim de ano ao custo de R$ 30 mil, foi bancado ilegalmente com recursos do Fundo Partidário; no período em que as despesas ocorreram, a FUG foi presidida por Moreira Franco (PMDB-RJ) e Eliseu Padilha (PMDB-RS), dois dos mais próximos colaboradores de Michel Temer

Um congresso da Fundação Ulysses Guimarães que custou mais de R$ 277 mil, almoços de até R$ 9.000 e uma 'confraternização' de fim de ano ao custo de R$ 30 mil, foi bancado ilegalmente com recursos do Fundo Partidário; no período em que as despesas ocorreram, a FUG foi presidida por Moreira Franco (PMDB-RJ) e Eliseu Padilha (PMDB-RS), dois dos mais próximos colaboradores de Michel Temer
Um congresso da Fundação Ulysses Guimarães que custou mais de R$ 277 mil, almoços de até R$ 9.000 e uma 'confraternização' de fim de ano ao custo de R$ 30 mil, foi bancado ilegalmente com recursos do Fundo Partidário; no período em que as despesas ocorreram, a FUG foi presidida por Moreira Franco (PMDB-RJ) e Eliseu Padilha (PMDB-RS), dois dos mais próximos colaboradores de Michel Temer (Foto: Leonardo Attuch)

247 – Reportagem do jornalista Rubens Valente denuncia o uso irregular do fundo partidário pelo PMDB, em decisões tomadas por dois dos principais auxiliares de Michel Temer: Moreira Franco e Eliseu Padilha.

"Um congresso que custou mais de R$ 277 mil, almoços de até R$ 9.000 e uma 'confraternização' de fim de ano ao custo de R$ 30 mil são alguns dos gastos bancados pelo Fundo Partidário por meio da FUG (Fundação Ulysses Guimarães), um braço do diretório nacional do PMDB dedicado à formação política", diz ele.

"No período em que as despesas ocorreram, a FUG foi presidida por Moreira Franco (PMDB-RJ) e Eliseu Padilha (PMDB-RS), dois dos mais próximos colaboradores do presidente Michel Temer."

Conheça a TV 247

Mais de Poder

Ao vivo na TV 247 Youtube 247