População aprova "faxina" de Dilma

Analistas apostam que a presidente ganhou pontos junto aos eleitores ao promover limpeza no Ministrio dos Transportes

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A "faxina" promovida pela presidente Dilma Rousseff no Ministério dos Transportes pode prejudicar a governabilidade, mas é considerada por cientistas políticos como um "mal necessário" para acabar com o ciclo de crises que atinge o Palácio do Planalto. Para os analistas ouvidos pela reportagem, a ampla base aliada e a consequente disputa por espaço no governo obriga a presidente a agir rapidamente e impor critérios técnicos para as indicações.

Se por um lado o estilo Dilma pode incomodar os aliados, Dilma pode sair mais fortalecida com o apoio da opinião pública. "Esse apoio pode blindá-la de alguma forma, mas ela precisa tomar cuidado porque a base pode se desgastar", avaliou o cientista político e professor do Insper Carlos Melo.

Os analistas concordam que, ao tomar medidas drásticas na pasta, a presidente tenta não repetir a crise que se arrastou por quase um mês no episódio envolvendo o ex-ministro-chefe da Casa Civil Antonio Palocci. "Ela está dando respostas rápidas para não perder o embate com a opinião pública, principalmente com a classe média, que é um setor sensível a essas questões", disse o cientista político e pesquisador da PUC e FGV de São Paulo Marco Antônio Carvalho Teixeira. No seu entender, dessa maneira, o governo consegue neutralizar as críticas da oposição, que ainda não conseguiu definir seu foco de atuação. "Ela está aprendendo e cada crise ensina um pouco mais", concluiu.

Para Carlos Melo, a crise vivida no governo Dilma indica o fracasso do modelo de presidencialismo de coalizão que vem desde o governo José Sarney, onde o presidente tem a maioria no Congresso, distribui os cargos entre os aliados e entrega os ministérios "de porteira fechada". "Acho que tem um esgotamento do modelo da base política. Ou a presidente parte para um rearranjo ou vai ficar administrando conflitos na base o tempo todo", afirmou. Melo acredita que as denúncias não deram outra opção a Dilma. "Ela não teve opção, a não ser agir desta forma (demitindo toda a cúpula da pasta). O governo não pode ficar refém das crises geradas por sua base política. E quando começa a guerra, não resta outra alternativa a não ser fazer a limpeza" completou.

Liderança

Na opinião do cientista político Rubens Figueiredo, após ser governado por um presidente com o perfil de Luiz Inácio Lula da Silva - com grande capacidade de liderança política e apoio da sociedade -, o País agora tem uma administradora que age de forma republicana. "Ela está agindo da maneira correta, como um presidente republicano agiria. Há muito tempo, denúncias nos meios de comunicação não tinham consequências. Com Dilma, as coisas voltaram ao seu curso normal", elogiou.

Figueiredo afirma que, ao indicar para a sociedade que não há conluio em seu governo, Dilma se aproxima da opinião pública. "Ela tem ao seu lado as instituições democráticas que veem com bons olhos essa ação (demissões), e isso pode até resgatar um pouco da confiabilidade (no governo)", analisou.

Se a "faxina" no Ministério dos Transportes é boa para colocar a casa em "ordem", pode ter efeito contrário na relação entre governo e sua base, uma vez que a presidente não tem o perfil contemporizador. "Nem tudo que faz bem para o País é bom para o governo", alertou Figueiredo. "O gesto político de Dilma não é agregador, mas por outro lado pode mostrar que o Brasil tem comando e que esse comando coloca as questões legais e administrativas acima das questões políticas", ressaltou.

Segundo os analistas, o PR é o grande perdedor do episódio. O partido reivindicou a pasta mas não foi capaz de indicar um substituto com as características opostas a do ex-ministro Alfredo Nascimento. "O PR não tem nome com esse perfil técnico e se viu incapacitado para caminhar nessa direção. O PR ficou deslegitimado para pleitear, então é o momento do PR dar uns passos para trás", disse Carvalho Teixeira.

Com uma base aliada tão ampla, os cientistas políticos preveem mais embates e novas oportunidades de Dilma montar um governo cada vez mais diferente de seu antecessor. "O cuidado que ela tem que ter agora é não colocar pessoas de outros partidos que possam repetir o perfil que ela não quer. O problema é ela trocar o mais pelo mesmo", observou Carvalho Teixeira.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email