Prisão de Cunha causa pânico na cúpula do governo Temer

A prisão do deputado federal cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), embora já fosse esperada há muito tempo, foi recebida com apreensão pela cúpula do governo Temer; os principais jornais do Brasil destacam hoje, além do encarceramento do peemedebista, os efeitos perturbadores que a detenção do ex-presidente da Câmara tem provocado em seus até bem pouco tempo aliados; o maior temor do grupo seria o conteúdo "bombástico" de uma eventual delação protagonizada por Cunha, que poderia estar mais tentado a cooperar com a Justiça devido às acusações contra sua mulher e filha, também investigadas na Lava Jato 

Prisão de Cunha causa pânico na cúpula do governo Temer
Prisão de Cunha causa pânico na cúpula do governo Temer
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A prisão do deputado federal cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), embora já fosse esperada há muito tempo, foi recebida com apreensão pela cúpula do governo Temer. Os principais jornais do Brasil destacam hoje, além do encarceramento do peemedebista, os efeitos perturbadores que a detenção do ex-presidente da Câmara tem provocado em seus até bem pouco tempo aliados. O maior temor do grupo d seria o conteúdo "bombástico" de uma eventual delação protagonizada por Cunha, que poderia estar mais tentado a cooperar com a Justiça devido às acusações contra sua mulher e filha, também investigadas na Lava Jato. 

A reportagem que é manchete da Folha de S.Paulo destaca a sensação:

“Seu governo teme que uma eventual delação premiada de Cunha possa atingir não só o presidente, seu colega de partido, mas auxiliares de confiança, como Moreira Franco, declaradamente considerado um desafeto por Cunha. A assessoria da Presidência não comentou.

No pedido à Justiça, os procuradores afirmam que o político ”ainda mantém influência nos seus correligionários, tendo participado de indicações de cargos políticos do governo Michel temer”.

O Estado de S.Paulo diz na primeira página que a prisão "amedronta o mundo político". 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247