Privatização da Eletrobras vai onerar o consumidor, alerta Gleisi

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) manifestou-se nesta quinta-feira, 14, contra o processo de desmonte da Eletrobras; segundo ela, o governo de Michel Temer vai abrir mão do controle da empresa para arrecadar cerca de R$ 12 bilhões à União; no entanto, a oneração para o consumidor, em 30 anos, seria de quase R$ 400 bilhões; "Qual é a vantagem que o Brasil leva vendendo sua maior empresa de energia, a empresa que coordena todo o sistema da energia elétrica brasileira?", questionou

Gleisi Hoffmann 
Gleisi Hoffmann  (Foto: Aquiles Lins)

247 - A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) manifestou-se nesta quinta-feira, 14, contra o processo de desmonte da Eletrobras. Segundo ela, o governo de Michel Temer vai abrir mão do controle da empresa para arrecadar cerca de R$ 12 bilhões à União.

No entanto, a oneração para o consumidor, em 30 anos, seria de quase R$ 400 bilhões. "Qual é a vantagem que o povo brasileiro leva? Qual é a vantagem que o Brasil leva vendendo sua maior empresa de energia, a empresa que coordena todo o sistema da energia elétrica brasileira?", questionou.

Para Gleisi, a questão da Eletrobras, assim como da Petrobras, assume uma gravidade enorme diante do quadro que nós estamos vivendo de recessão no Brasil e de dificuldades para o povo brasileiro. Essas duas empresas só existem porque nelas foi investido dinheiro público. A Eletrobras, por exemplo, teve investimentos de R$370 bilhões em 60 anos. Ela é responsável por um terço da capacidade de geração e 47% das linhas de transmissão do País. A empresa gerou em média R$ 934 milhões anuais de dividendos à União entre 2003 e 2016.

"E, agora, essa gente quer entregar esse patrimônio ao setor privado, ganhando um recurso que não cobre 10% do déficit público que nós temos no Brasil hoje. E a conta de luz vai subir para a população brasileira. É muito grave o que está acontecendo neste País."

A senadora lembrou que quando o Presidente Lula assumiu o governo em 2003, ele vedou a entrada da Eletrobras e de suas subsidiárias no Programa Nacional de Desestatização, criado por Fernando Henrique Cardoso. A empresa passou, então, a integrar a Eletrobras. Saiu do Programa Nacional de Desestatização e passou a integrar consórcios para participar dos leilões de geração e transmissão de energia.

"Dessa forma conseguimos reduzir o preço da energia para o consumidor no Brasil. Nós chegamos, por exemplo, no leilão de transmissão, a um deságio médio, de 50%. No caso da geração, Belo Monte, por exemplo, que foi implantada nos nossos governos, chegou a produzir uma economia de R$60 bilhões, considerando 30 anos de contrato", explicou.

Inscreva-se na TV 247 e assista ao pronunciamento:

 

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247