Professor é afastado de Colégio Militar por criticar a PM e STF exige justificativa do governo

Partido Rede recorreu à Suprema Corte e pediu pelo retorno do professor à sala de aula. Ministro do STF, Gilmar Mendes deu prazo de 5 dias para justificativas da Instituição de Ensino e da Advocacia Geral da União

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O comandante do Colégio Militar de Brasília, Coronel Carlos Vinícius Teixeira de Vasconcelos, anunciou o afastamento de um professor que criticou a Polícia Militar. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes deu um prazo de 5 dias para justificativas da instituição de ensino e da Advocacia Geral da União (AGU). A informação é do portal O Antagonista.  

Conhecido como Major Cláudio, o professor disse que a PM agiu com “dois pesos e duas medidas” nas manifestações em São Paulo, no dia 31 de maio. Ele estava comentando, durante uma aula, o caso de uma bolsonarista que portava uma arma branca e se aproximava dos manifestantes da oposição. “O policial [disse]: ‘Não, minha senhora, saia daqui e tal’. Enquanto os outros manifestantes foram tratados a bombas e gás lacrimogêneo. Então, dois pesos e duas medidas, tá?", alegou.    

O partido Rede recorreu à Suprema Corte e solicitou o retorno do professor ao corpo docente do Colégio Militar. “Se nada for feito, certamente haverá um verdadeiro incentivo de decisões semelhantes em outras unidades educacionais”, alertou a Rede

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247