PSDB adia decisão sobre Temer e continua no muro

O PSDB cancelou a reunião agendada para a tarde deste domingo (21), em Brasília, quando seria discutida a continuidade do apoio do partido a Michel Temer, que, segundo o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, cometeu os crimes de corrupção passiva, organização criminosa e tentativa de obstrução à Justiça; com quatro ministros e a terceira maior bancada do Congresso, a legenda é a principal aliada do PMDB no governo federal. Segundo o líder do PSDB no Senado, o senador Paulo Bauer (SC), o encontro foi cancelado "para não alimentar especulações" de que o partido decidiria neste domingo (20) sair do governo

Senador Paulo Bauer (PSDB-SC) anuncia candidatura ao governo de Santa Catarina
Senador Paulo Bauer (PSDB-SC) anuncia candidatura ao governo de Santa Catarina (Foto: Leonardo Lucena)

247 - O PSDB cancelou a reunião agendada para a tarde deste domingo (21), em Brasília, quando seria discutida a continuidade do apoio do partido a Michel Temer, que, segundo o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, cometeu os crimes de corrupção passiva, organização criminosa e tentativa de obstrução à Justiça.

Com quatro ministros e a terceira maior bancada do Congresso, a legenda é a principal aliada do PMDB no governo federal. Segundo o líder do PSDB no Senado, o senador Paulo Bauer (SC), o encontro foi cancelado "para não alimentar especulações" de que o partido decidiria neste domingo (20) sair do governo.

Segundo apuração do Uol, a repercussão na imprensa da convocação de reunião entre tucanos e democratas, como o senador Agripino Maia (RN), presidente nacional da sigla, pesou na decisão.

A possibilidade de o PSDB deixar o governo veio após a gravação de uma conversa em que Michel Temer dá aval ao empresário Joesley Batista para a compra do silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Temer também é apontado como beneficiário de propinas milionárias e tentativa de obstrução à Justiça.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247