PSDB decide morrer abraçado a Temer, após prisão de Rocha Loures

líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (SC), disse que prisão do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) é uma questão de cunho "absolutamente pessoal" e não deve servir de álibi para que a legenda tucana deixe a base do governo Michel temer, como defende uma ala do partido; "Não cabe ao PSDB tomar decisão política em relação ao País por conta de uma questão absolutamente pessoal do Rocha Loures", afirmou Baue

Senador Paulo Bauer (PSDB-SC) anuncia candidatura ao governo de Santa Catarina
Senador Paulo Bauer (PSDB-SC) anuncia candidatura ao governo de Santa Catarina (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (SC), disse que prisão do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) é uma questão de cunho "absolutamente pessoal" e não deve servir de álibi para que a legenda tucana deixe a base do governo Michel temer, como defende uma ala do partido. "Não cabe ao PSDB tomar decisão política em relação ao País por conta de uma questão absolutamente pessoal do Rocha Loures", afirmou Bauer.

Para o senador tucano, a prisão de Loures não resulta em problemas entre PSDB e o governo já que a legenda não trabalha "hipóteses e especulações" acerca do suposto envolvimento de Temer em um esquema de corrupção e obstrução da Justiça.

"O Rocha Loures tem uma questão que ele mesmo tem que resolver com a justiça", declarou disse. "Acho que ele é um cidadão que foi flagrado praticando algum ato que a Justiça precisa avaliar e julgar", completou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247