PSDB se divorcia do povo e pula no caixão de Temer

O PSDB segue dentro do barco de Michel Temer e afundará junto com ele; foi o que deixou claro o Instituto Teotônio Vilela, braço tucano de formação política, em carta divulgada nessa terça-feira, 27, depois que Temer tentou se defender da acusação de corrupção passiva feita pela PGR; "Pode, sim, haver corrupção, mas o que a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentou ontem seguramente não contém provas necessárias e suficientes para a condenação de um presidente da República", diz a nota; para o instituto presidido pelo ex-senador José Aníbal (PSDB-SP), seria ruim ao País o cenário de Temer ser afastado, o presidente da Câmara assumir, um mandatário ser eleito por via indireta e outro por via direta nas eleições de outubro de 2018; "O que temos a ganhar entrando nessa roda-viva?"

O PSDB segue dentro do barco de Michel Temer e afundará junto com ele; foi o que deixou claro o Instituto Teotônio Vilela, braço tucano de formação política, em carta divulgada nessa terça-feira, 27, depois que Temer tentou se defender da acusação de corrupção passiva feita pela PGR; "Pode, sim, haver corrupção, mas o que a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentou ontem seguramente não contém provas necessárias e suficientes para a condenação de um presidente da República", diz a nota; para o instituto presidido pelo ex-senador José Aníbal (PSDB-SP), seria ruim ao País o cenário de Temer ser afastado, o presidente da Câmara assumir, um mandatário ser eleito por via indireta e outro por via direta nas eleições de outubro de 2018; "O que temos a ganhar entrando nessa roda-viva?"
O PSDB segue dentro do barco de Michel Temer e afundará junto com ele; foi o que deixou claro o Instituto Teotônio Vilela, braço tucano de formação política, em carta divulgada nessa terça-feira, 27, depois que Temer tentou se defender da acusação de corrupção passiva feita pela PGR; "Pode, sim, haver corrupção, mas o que a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentou ontem seguramente não contém provas necessárias e suficientes para a condenação de um presidente da República", diz a nota; para o instituto presidido pelo ex-senador José Aníbal (PSDB-SP), seria ruim ao País o cenário de Temer ser afastado, o presidente da Câmara assumir, um mandatário ser eleito por via indireta e outro por via direta nas eleições de outubro de 2018; "O que temos a ganhar entrando nessa roda-viva?" (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O PSDB segue dentro do barco de Michel Temer e afundará junto com ele. Foi o que deixou claro o Instituto Teotônio Vilela, braço tucano de formação política, em carta divulgada nessa terça-feira, 27, depois do pronunciamento em que Temer tentou se defender da acusação de corrupção passiva feita pela procuradoria geral da República. 

"Pode, sim, haver corrupção, mas o que a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentou ontem seguramente não contém provas necessárias e suficientes para a condenação de um presidente da República. O histórico recente de exageros e abusos por parte dos procuradores federais não ajuda", diz a nota.

Para o instituto presidido pelo ex-senador José Aníbal (PSDB-SP), a acusação tem fragilidades e o conteúdo é baseado na delação do empresário Joesley Batista, da JBS. "Não há, pelo menos por ora, uma prova inconteste, uma evidência acachapante ou um depoimento irrefutável que leve a uma condenação inequívoca. O que se tem - por ora, repita-se - é a palavra do maior réu confesso do país contra a de Temer. Nada além disso."

O texto considera que seria ruim ao País o cenário de Temer ser afastado, o presidente da Câmara assumir, um mandatário ser eleito por via indireta e outro por via direta nas eleições de outubro de 2018. "O que temos a ganhar entrando nessa roda-viva?". "Tudo o que pediram a Deus é um fim peremptório para aquele que, segundo sua versão dos fatos, ascendeu ao poder por meio de um 'golpe'." E destaca que a PGR "de forma estranhíssima" até agora não cogitou fazer denúncias contra a presidente eleita Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso JBS.

PUBLICIDADE

Leia aqui a íntegra da carta do ITV. 

 

PUBLICIDADE

 

 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email