PSOL vai contestar decreto de Bolsonaro sobre armas

Partido presidido por Juliano Medeiros anuncia que a bancada na Câmara vai apresentar, logo no primeiro dia da nova legislatura, um Projeto de Decreto Legislativo (PDC) "para sustar os pontos que flexibilizam o Estatuto do Desarmamento", além de protocolar ao ministro da Justiça, Sergio Moro, "requerimento solicitando informações e dados que justificaram a edição do decreto"; em nota, o partido ressalta que o decreto assinado nesta terça por Bolsonaro "ignora todos os dados que demonstram que a medida aumentará os índices de violência"

PSOL vai contestar decreto de Bolsonaro sobre armas
PSOL vai contestar decreto de Bolsonaro sobre armas

247 - O PSOL anunciou, em nota divulgada na tarde desta terça-feira 15, que sua bancada na Câmara vai apresentar, logo no primeiro dia da nova legislatura, um Projeto de Decreto Legislativo (PDC) "para sustar os pontos que flexibilizam o Estatuto do Desarmamento", além de protocolar ao ministro da Justiça, Sergio Moro, "requerimento solicitando informações e dados que justificaram a edição do decreto".

"O decreto presidencial assinado hoje é uma falsa solução para os problemas da violência no Brasil e não avança em medidas necessárias para fortalecer o controle e fiscalização de armas e munições", critica a legenda, presidida por Juliano Medeiros. Leia a íntegra do comunicado:

PSOL vai contestar decreto que facilita a posse de armas

O decreto presidencial que facilita a posse de armas no país, assinado nesta terça-feira (15), pelo presidente Jair Bolsonaro, sem nenhum debate com a sociedade civil e especialistas no tema, e que passa a permitir a aquisição de até quatro armas de fogo por cidadão será contestado pelo PSOL na Câmara.

O decreto altera o período exigido para renovação da posse – ampliando de cinco para dez anos – e retira a exigência de autorização feita por um delegado da Polícia Federal. Na prática, a medida flexibiliza o Estatuto do Desarmamento e facilita o acesso às armas em todo o território nacional.

A bancada vai apresentar, logo no primeiro dia da nova legislatura, Projeto de Decreto Legislativo (PDC) para sustar os pontos que flexibilizam o Estatuto do Desarmamento.

Além disso, o PSOL vai protocolar Requerimento endereçado ao Ministro da Justiça solicitando informações e dados que justificaram a edição do decreto.

Pesquisa recente do DataFolha mostrou que 61% dos brasileiros acreditam que a posse de armas de fogo deve ser proibida, por representar ameaça à vida de outras pessoas. A medida é amplamente criticada por organizações da sociedade civil e especialistas no tema.

De acordo com pesquisa do economista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Daniel Cerqueira, a cada 1% a mais de armas de fogo em circulação, os homicídios aumentam 2%. Um fato alarmante é o de que somente 23% das munições vendidas no Brasil são possíveis de ser rastreadas, o que contribui para que as polícias não consigam elucidar sequer um em cada dez dos homicídios cometidos no país.

O decreto publicado pelo governo Bolsonaro contribuirá para o aumento da quantidade de armas de fogo em circulação no nosso país, ignorando todos os dados que demonstram que a medida aumentará os índices de violência.

Outro aspecto levantado por especialistas é a possibilidade de acidentes envolvendo crianças e adolescentes, os homicídios por motivos fúteis e por conflitos interpessoais e familiares variados.

O decreto presidencial assinado hoje é uma falsa solução para os problemas da violência no Brasil e não avança em medidas necessárias para fortalecer o controle e fiscalização de armas e munições.

O PSOL na Câmara reafirma seu compromisso com o enfrentamento à epidemia de violência que acomete o Brasil. Isso exige, na contramão do decreto de Bolsonaro e Sérgio Moro, o fortalecimento do controle de armas e munições, para combater o tráfico de armas e ampliar a capacidade de investigação de crimes perpetrados.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247