PT disputa o PSB com Ciro

O PT está em uma queda de braço com Ciro Gomes para conquistar o PSB; Gleisi Hoffmann acredita que com a composição dos palanques regionais e das chapas proporcionais o PT pode costurar acordos que levariam o PSB a apoiar o candidatura do partido à Presidência: "A prioridade do PSB é eleger governadores e fazer uma boa bancada federal. O PT tem mais a lhes ajudar nisso que o PDT"

O PT está em uma queda de braço com Ciro Gomes para conquistar o PSB; Gleisi Hoffmann acredita que com a composição dos palanques regionais e das chapas proporcionais o PT pode costurar acordos que levariam o PSB a apoiar o candidatura do partido à Presidência: "A prioridade do PSB é eleger governadores e fazer uma boa bancada federal. O PT tem mais a lhes ajudar nisso que o PDT"
O PT está em uma queda de braço com Ciro Gomes para conquistar o PSB; Gleisi Hoffmann acredita que com a composição dos palanques regionais e das chapas proporcionais o PT pode costurar acordos que levariam o PSB a apoiar o candidatura do partido à Presidência: "A prioridade do PSB é eleger governadores e fazer uma boa bancada federal. O PT tem mais a lhes ajudar nisso que o PDT" (Foto: Mauro Lopes)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O PT está em uma queda de braço com Ciro Gomes para conquistar o PSB para as eleições deste ano. A presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) acredita que com a composição dos palanques regionais e das chapas proporcionais o PT pode costurar  acordos que levariam o PSB a apoiar o candidatura do partido à Presidência: "A prioridade do PSB é eleger governadores e fazer uma boa bancada federal. O PT tem mais a lhes ajudar nisso que o PDT".

A maior concessão que o PT tem a fazer ao PSB é a retirada da pré-candidatura de Marília Arraes ao governo de Pernambuco. A vereadora do PT, prima do governador Eduardo Campos, falecido em 2014, e neta de Miguel Arraes, encosta no governador Paulo Câmara nas pesquisas no Estado. O governador, o principal que o PSB elegeu como cabeça de chapa (Márcio França, de São Paulo, foi eleito vice), comanda o núcleo com o maior número de votos no diretório nacional do PSB.

Os repórteres Maria Cristina Fernandes, Ricardo Mendonça e Cristiane Agostine do Valor Econômico relatam que Gleisi elogia Marília Arraes, mas sinaliza com a retirada de sua pré-candidatura ao governo pernambucano como parte do acordo: "A aliança nacional é a prioridade para o PT". A dirigente petista diz ter avaliado como positivas declarações recentes do presidente do PSB, Carlos Siqueira, por entender que ele "admite" a hipótese de acordo nacional com o PT.

O PT também oferece apoio ao PSB na Paraíba, no Amazonas e no Amapá, praças em que o partido é competitivo na disputa majoritária. Em Minas, os petistas trabalham para convencer o ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB) a desistir de sua pré-candidatura ao governo do Estado e disputar o Senado na chapa do governador Fernando Pimentel, que tenta a reeleição. Desde o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, Pimentel ocupa o principal cargo Executivo em poder do partido.

"A presidenta foi para Minas para ajudar", diz Gleisi, em relação à transferência do registro eleitoral de Dilma para Minas Gerais. A pré-candidatura da ex-presidente ao Senado deu início a uma guerra aberta entre Pimentel e seus aliados do MDB, que querem as duas vagas do Senado da chapa para o partido.

A despeito de sugerir que Dilma não será empecilho aos planos do PT no Estado, Gleisi descarta uma candidatura da ex-presidente à Câmara dos Deputados. Sugere que uma chapa ao Senado que reúna Lacerda e Dilma fortaleceria a adesão do PSB ao projeto de Pimentel e o ajudaria a ganhar autonomia em relação ao MDB mineiro. O governador, no entanto, enfrenta uma difícil campanha à reeleição no Estado, onde enfrentará o senador e ex-governador Antonio Anastasia (PSDB).

Como parte da negociação pelo apoio nacional do PSB, o PT mantém em aberto a vaga de vice na chapa presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, que poderia ser indicada pelo partido aliado. A participação como vice na chapa também é negociada com o PCdoB, que poderia retirar a pré-candidatura presidencial da deputada Manuela d'Ávila.

Ao falar sobre a articulação de Ciro Gomes para tentar atrair o PSB, Gleisi diz que as alianças estaduais entre PT e PSB são mais fáceis e cita dois Estados em que o PDT disputa com o aliado: Amazonas e Amapá.

A dirigente petista diz ainda que acredita em um acordo com Ciro Gomes no segundo turno. "Estaremos todos juntos".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247