PT e PMDB, um casamento que já chegou ao fim

Por mais que dirigentes dos dois partidos reafirmem a aliança, fica cada vez mais distante a hipótese de que a chapa entre a presidente Dilma Rousseff e o vice Michel Temer se repita em 2014; enquanto o PMDB aponta o desprezo do Planalto, petistas questionam o custo da aliança com o PMDB; governo liberou R$ 6 bilhões em emendas parlamentares, mas Eduardo Cunha, líder do PMDB, já disse que é pouco; além disso, os dois lados desconfiam (com razão) de traição

PT e PMDB, um casamento que já chegou ao fim
PT e PMDB, um casamento que já chegou ao fim
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Maiores aliados no Congresso Nacional, o PT e o PMDB caminham hoje para um rompimento inevitável. Mesmo com a reafirmação pública, de líderes de ambos os lados, de que a parceria será mantida em 2014, a chance de se repetir a chapa formada pela presidente Dilma Rousseff e o vice – além de presidente do PMDB – Michel Temer é cada vez mais remota.

Os próprios partidos se mostram divididos: ao mesmo tempo em que o presidente do PT, Rui Falcão, reafirma em nota que a aliança do PMDB é "prioritária", assim como a reedição da chapa de Dilma e Temer nas próximas eleições, o petista Tarso Genro, governador do Rio Grande do Sul, acredita que a parceria já é mais problema que solução e que já deu o que tinha que dar.

O mesmo ocorre com o PMDB. Michel Temer, que como presidente da legenda, também já confirmou parceria com os petistas para 2014, vem sendo cobrado por parlamentares do partido e já viu declarações públicas contra o governo de peemedebistas insatisfeitos, como o líder na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), sempre disposto a ir contra o que pensa o Planalto.

De um lado, o PMDB enxerga desprezo da presidente Dilma pelo Congresso e pelos aliados. Prova disso é um questionário elaborado pelo partido a fim de colocar no papel as insatisfações de seus filiados e avaliar se a aliança com os petistas vale realmente a pena ou não. Já o Planalto enxerga uma relação política que custa caro demais ao País.

Exemplo claro é a indicação, pelo PMDB, do ministro Moreira Franco para a Secretaria Nacional da Aviação Civil. Como tem divulgado o 247, Moreira Franco vem demonstrando uma relação perigosa com a empreiteira Odebrecht, para a qual já liberou um aporte de R$ 1 bilhão e onde seu filho já foi de trainee a diretor num período de cinco anos. Além disso, o edital elaborado pela pasta para a concessão de aeroportos deve favorecer a companhia, como avalia o colunista da Folha de S.Paulo Janio de Freitas.

Há ainda as pressões do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Numa entrevista à Folha de S.Paulo, Alves defendeu sem pudores o corte de 14 pastas no governo, proposta que foi vista com muito maus olhos pela presidência. Em conversa a portas fechadas com o ex-presidente Lula, em Salvador, Dilma se mostrou bastante insatisfeita com o comportamento do "aliado".

Um provável motivo para que a relação entre os partidos tenha esfriado é a desconfiança de traição, por ambos os lados. O PT desconfia que o PMDB tentará tirar tudo o que pode dessa aliança para, no fim, trair o partido apoiando o tucano Aécio Neves. Na outra ponta, o PMDB desconfia que o PT pode se aproximar de alianças mais à esquerda, a exemplo do PSB, de Eduardo Campos.

A questão é que, mesmo que alguns membros acreditando que a aliança entre PT e PMDB ainda vale a pena, a relação já desgastou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247