PTB abre mão da reforma ministerial

Presidente da sigla, Benito Gama, que ocupa a vice-presidência de Governo do Banco do Brasil, disse ao ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que “o fato de o partido não estar mais falando em ministério não interfere no apoio que continuará dando ao governo: “Temos um compromisso em relação a isso”, afirmou

Presidente da sigla, Benito Gama, que ocupa a vice-presidência de Governo do Banco do Brasil, disse ao ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que “o fato de o partido não estar mais falando em ministério não interfere no apoio que continuará dando ao governo: “Temos um compromisso em relação a isso”, afirmou
Presidente da sigla, Benito Gama, que ocupa a vice-presidência de Governo do Banco do Brasil, disse ao ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que “o fato de o partido não estar mais falando em ministério não interfere no apoio que continuará dando ao governo: “Temos um compromisso em relação a isso”, afirmou (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Diante do impasse da presidente Dilma Rousseff na reforma ministerial, o PTB avisou o governo que não reivindicará nenhum ministério. Segundo o presidente da sigla Benito Gama, decisão não interfere apoio ao governo. Leia na nota do Diário do Poder:

PTB DIZ QUE NÃO QUER MAIS MINISTÉRIOS NO GOVERNO DILMA

PRESIDENTE DO PTB, BENITO GAMA DIZ QUE PARTIDO NÃO QUER MINISTÉRIOS

O presidente do PTB, Benito Gama, declarou que o partido não está reivindicado nenhum ministério nesta reforma do primeiro escalão do governo. As trocas ministeriais estão em curso, sendo desenhadas pela presidente Dilma Rousseff, e terão de ser concluídas até o início de abril. Benito Gama, que ocupa a vice-presidência de Governo do Banco do Brasil, disse que esta era uma discussão que estava sendo realizada no ano passado, mas não está mais em pauta este ano.

Gama declarou que há duas semanas informou ao ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que o PTB não reivindicará nenhum ministério. “Avisei a ele que o PTB estava deixando a presidente completamente à vontade em relação a ministérios, sem vincular isso a qualquer apoio ao governo”. Ele insistiu que “o fato de o partido não estar mais falando em ministério não interfere no apoio que o partido continuará dando ao governo pois temos um compromisso em relação a isso”.

Mais cedo, o senador Gim Argello (PTB-DF) se reuniu com o ministro da Casa Civil, no Planalto, mas evitou falar sobre o teor da conversa com Aloizio Mercadante. Nesta terça-feira, Mercadante deu prosseguimento a uma rodada de conversas com os partidos, a pedido da presidente Dilma Rousseff.

A presidente está muito preocupada com a atuação do “blocão” no Congresso, que acabou de obter a sua primeira grande vitória, com a aprovação pela oposição do requerimento para acompanhamento de investigação externa da Petrobras. Dilma pediu a Mercadante que tente esvaziar o grupo, atraindo novamente seus integrantes para o palanque governista.

Dilma quer saber, na prática, até que ponto a rebelião comandada pelo líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), tem o apoio dos demais partidos da coalizão. A avaliação até este momento é que apenas o PP e o PROS anunciaram apoios incondicionais ao governo. O PTB também está dizendo que apoia o Planalto. Mas PDT e PR falaram das insatisfações das legendas.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email