Rachado, PSL avalia liberar parlamentares desde que abram mão de recursos do fundo partidário

Cúpula do partido avalia a chance de liberar Jair Bolsonaro, bem como os filhos do ex-capitão, o deputado Eduardo Bolsonaro (SP) e o senador Flávio Bolsonaro (RJ), além de 20 outros parlamentares para que deixem o partido

O presidente do PSL, deputado Luciano Bivar
O presidente do PSL, deputado Luciano Bivar (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

247 - O racha interno no PSL levou a cúpula do partido a avaliar a chance de liberar Jair Bolsonaro, bem como os filhos do ex-capitão, o deputado Eduardo Bolsonaro (SP) e o senador Flávio Bolsonaro (RJ), além de 20 outros parlamentares ligados a eles, para que deixem o partido. Em contrapartida, porém, eles assinariam uma espécie de compromisso público no qual abririam mão dos recursos do fundo partidário.  Segundo o blog do jornalista Gerson Camarotti, o partido também cogita expulsar os deputados Bibo Nunes (RS) e Alê Silva (MG), ligados a ala bolsonarista. 

“Já que o presidente é contra o fundo eleitoral e partidário nas campanhas, e os deputados signatários também são, a narrativa é que o problema não é o dinheiro. Queremos que eles assinem um documento público com valor jurídico -- do presidente, Eduardo, Flávio e todos os 20 deputados -- abrindo mão do fundo e indo embora do partido. Já que o problema não é o dinheiro, não vejo problema todos eles assinarem, assim não precisam procurar justa causa e serão todos liberados", disse o deputado Júnior Bozzella (PSL-SP), ligado ao presidente da legenda, Luciano Bivar. 

Ainda segundo ele, a iniciativa será levada aos advogados Karina Kufa e Admar Gonzaga, que respondem pela defesa de Bolsonar, e vem na esteira da briga interna no PSL geada com a insatisfação de Bolsonaro em função das denúncias de candidaturas laranjas do partido em Minas Gerais. Desde então, cerca de parlamentares buscam uma saída jurídica para deixar o partido sem incorrer na chamada infidelidade partidária. 

Ao vivo na TV 247 Youtube 247