Reforma política prevê mecanismo para travar financiamento de candidatos ricos

A proposta de reforma política prevê um sistema misto de financiamento de campanha, com parte de recursos vindos de um fundo eleitoral com dinheiro público e parte com doações de pessoas físicas; para evitar que candidatos ricos banquem suas candidaturas, o relator da proposta, deputado Vicente Cândido (PT-SP), vai impor o limite de doação de um salário mínimo por mês de campanha

Deputado Vicente Cândido, PT
Deputado Vicente Cândido, PT (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado Vicente Cândido (PT-SP), relator da reforma política na Câmara, vai incluir no seu parecer o financiamento misto de campanha. Os recursos virão de um fundo eleitoral, composto com dinheiro público, e de doações de pessoas físicas. A colaboração de empresas continua vetada. Para evitar que candidatos ricos banquem suas candidaturas, o relator vai impor o limite de doação de um salário mínimo por mês de campanha. Ele definiu dois meses de prévia e dois de campanha. Ou seja, só poderão doar para si próprios quatro mínimos.

As informações são da Coluna do Estadão.

"O cronograma é aprovar a reforma política na Câmara até junho. Para que as medidas tenham validade já na eleição de 2018, o Senado precisa concluir o processo de votação iniciado pelos deputados até setembro deste ano.

O ministro do TSE, Gilmar Mendes, já afirmou que, se o Congresso não aprovar novas regras de financiamento eleitoral, a disputa presidencial de 2018 vai ocorrer em um quadro de 'falta de controle'."

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email