Registro de reuniões liga Temer e coronel a esquema de propina em Santos

A Polícia Federal encontrou mais indícios da participação de Michel Temer e seu amigo e operador, o coronel João Baptista Lima Filho, nos esquemas de corrupção no porto de Santos; a PF localizou o registro de uma reunião entre o coronel Lima e o ex-presidente da Elsorado Celulose José Carlos Grubisich; em sua delação, o executivo Ricardo Saud, do grupo J&F, controlador da JBS e da Eldorado Celulose, relata que as obras do porto para escoar a produção da fábrica da Eldorado foram embargadas e só teriam sido liberadas após ele procurar o então vice-presidente Temer; peemedebista teria prometido interceder junto à diretoria da estatal; registro do encontro na agenda de Grubisich reforça as acusações e abre uma nova linha de investigação sobre o episódio

Registro de reuniões liga Temer e coronel a esquema de propina em Santos
Registro de reuniões liga Temer e coronel a esquema de propina em Santos
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Polícia Federal (PF) encontrou, na sede da Eldorado Celulose, um registro das agendas do ex-presidente da empresa José Carlos Grubisich que reforça as suspeitas de que o coronel reformado da Polícia Militar João Baptista Lima Filho tenha atuado em negociações relativas ao setor portuário. Lima já foi apontado como operador financeiro de Michel Temer no porto de Santos.

De acordo com o registro, Grubisich teria se encontrado com Lima em 28 de julho de 2015, um mês após o porto da Eldorado em Santos ser inaugurado. 

Em sua delação premiada, o executivo do grupo J&F, controlador da JBS e da Eldorado, Ricardo Saud relata que as obras do porto para escoar a produção da fábrica da Eldorado foram embargadas pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) um mês após começarem, em 2015, e só teriam sido liberadas após ele procurar o então vice-presidente Temer. O peemedebista teria prometido interceder junto à diretoria da estatal. Na delação, Saud não cita o envolvimento do então presidente da Eldorado. Mas o registro do encontro na agenda de Grubisich reforça as suspeitas e abre uma nova linha de investigação sobre o episódio.

No site da Argeplan, empresa de engenharia do coronel Lima, não há nenhuma obra no Porto de Santos entre os projetos executados por ela, e tampouco a Eldorado ou a Codesp aparecem na lista de clientes da empresa.

A PF se deparou com a informação ao revirar um backup do computador de Grubisich, que estava em um notebook apreendido na sede da Eldorado, localizada na capital paulista. No registro da agenda do presidente da companhia aparece entre parêntesis, ao lado do nome do coronel, a expressão “indic Celso Grecco”. Grecco é sócio da Rodrimar e investigado no mesmo inquérito que apura se Temer teria atuado para beneficiar a empresa no Porto de Santos.

As informações são de reportagem de Mateus Coutinho e Aguirre Talento em O Globo. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247