Renan pede fim do sigilo nas delações da Odebrecht

Depois de elogiar a presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, pela homologação das delações da Odebrecht, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), na última sessão que comandou como presidente do Senado, declarou: "É preciso que se abra o sigilo para que a população não seja manipulada"

renan
renan (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Na despedida da presidência do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) defendeu na noite desta quarta-feira 1º o fim o sigilo das delações da Odebrecht na Lava Jato.

Depois de elogiar a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, pela homologação das delações de 77 executivos e ex-executivos da empreiteira, o senador declarou: "É preciso que se abra o sigilo para que a população não seja manipulada".

Em seu último discurso como presidente, ele também criticou abusos como a prisão de policiais legislativos e disse que "ninguém busca impunidade, mas apurações precisam ser feitas dentro do limite da lei".

Renan comandou a votação para presidência da Casa que elegeu o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) por 61 votos a 10.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247