Repasses a Santana vão reforçar ação no TSE contra chapa Dilma-Temer

Procuradores enviaram ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um total de 79 arquivos, entre planilhas e documentos bancários, que comprovariam as transferências realizadas pelo operador Zwi Skornicki e o Grupo Odebrecht ao marqueteiro das campanhas presidenciais do PT, João Santana; material será juntado ao pedido de cassação da chapa da presidente Dilma Rousseff (PT) e do presidente interino Michel Temer (PMDB), feito pelo PSDB

Procuradores enviaram ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um total de 79 arquivos, entre planilhas e documentos bancários, que comprovariam as transferências realizadas pelo operador Zwi Skornicki e o Grupo Odebrecht ao marqueteiro das campanhas presidenciais do PT, João Santana; material será juntado ao pedido de cassação da chapa da presidente Dilma Rousseff (PT) e do presidente interino Michel Temer (PMDB), feito pelo PSDB
Procuradores enviaram ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um total de 79 arquivos, entre planilhas e documentos bancários, que comprovariam as transferências realizadas pelo operador Zwi Skornicki e o Grupo Odebrecht ao marqueteiro das campanhas presidenciais do PT, João Santana; material será juntado ao pedido de cassação da chapa da presidente Dilma Rousseff (PT) e do presidente interino Michel Temer (PMDB), feito pelo PSDB (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Procuradores enviaram ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um total de 79 arquivos, entre planilhas e documentos bancários, que comprovariam as transferências realizadas pelo operador Zwi Skornicki e o Grupo Odebrecht ao marqueteiro das campanhas presidenciais do PT, João Santana.

O material será juntado ao pedido de cassação da chapa da presidente Dilma Rousseff (PT) e do presidente interino Michel Temer (PMDB), feito pelo PSDB.

Delator da Lava Jato, o lobista do estaleiro Keppel Fels, Zwi Skornicki, confessou que o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto pediu US$ 4,5 milhões para auxiliar o financiamento da campanha de reeleição de Dilma, em 2014. Ele disse que o pagamento foi feito diretamente em conta de João Santana na Suíça e não declarado à Justiça Eleitoral. Se comprovado, esquema caracteriza caixa dois.

A Odebrecht também é suspeita de ter repassado até US$ 16 milhões ao marqueteiro.

Ontem, a presidente Dilma Rousseff rebateu à notícia publicada pelo jornal "Folha de S.Paulo" de que teria recebido de maneira ilegal dinheiro da Odebrecht nas campanhas de 2010 e 2014. Em nota, afirmou ser "lamentável que, mais uma vez, o conteúdo em segredo de Justiça seja vazado", segundo ela, "seletivamente e de maneira escandalosa".

Leia aqui reportagem de André Guilherme Vieira sobre o assunto.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email