Rodrigo Janot será sabatinado dia 29 no Senado

Aprovação de Janot na sabatina da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) garante sua nomeação para o cargo de procurador-geral da República, que está vago desde o dia 15 deste mês

Aprovação de Janot na sabatina da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) garante sua nomeação para o cargo de procurador-geral da República, que está vago desde o dia 15 deste mês
Aprovação de Janot na sabatina da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) garante sua nomeação para o cargo de procurador-geral da República, que está vago desde o dia 15 deste mês (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Carolina Gonçalves*
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O jurista Rodrigo Janot, indicado pela presidenta Dilma Rousseff para ocupar o cargo de procurador-geral da República, será sabatinado no próximo dia 29, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. A aprovação de Janot na sabatina garante sua nomeação para o cargo, que está vago desde o dia 15 deste mês.

O mineiro Rodrigo Janot, de 56 anos, foi considerado pela presidenta detentor de todos os requisitos necessários para chefiar o Ministério Público. Segundo nota divulgada pela Presidência da República no último dia 17, Janot é capaz de comandar a Procuradoria-Geral da República "com independência, transparência e apego à Constituição".

Janot, que disputou a indicação com três subprocuradoras que também se apresentaram à Associação Nacional dos Procuradores da República, obteve 511 votos, superando em 54 votos a segunda colocada, a subprocuradora-geral Ela Wiecko, no processo seletivo que antecede a escolha do Planalto. Deborah Duprat ficou com 445 votos e Sandra Cureau, com 271.

Desde o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, o cargo de líder da Procuradoria-Geral da República, que é de livre nomeação da Presidência da República, passou a ser decidido com base nos nomes de uma lista tríplice entre os mais votados pelos profissionais da categoria.

Rodrigo Janot ingressou no Ministério Público Federal (MPF) em 1984, ocupando o cargo de subprocurador em 2003.

O senador Eunicio Oliveira lembrou hoje (21) que a chefia da Ministério Público está vaga desde o último dia 15, quando terminou o mandato de Roberto Gurgel, que passou quatro anos à frente da Procuradoria.

*Colaborou Débora Zampier
Edição: Nádia Franco

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email