Rossetto: financiamento privado é 'gênese da corrupção'

Ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto defende o fim das doações privadas nas campanhas como tema central da reforma política: "o financiamento empresarial sequestra a regra básica nas democracias e amplia a exclusão do segmento popular com menos acesso ao poder econômico. Por isso, o crescente e perigoso distanciamento entre políticos e sociedade"; ele diz que "a operação Lava-Jato e o escândalo do metrô de São Paulo expõem as vísceras deste sistema"

Brasília- DF- Brasil- 15/03/2015- Após protestos realizados em todo o país, os ministros da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, e da Justiça, José Eduardo Cardozo, fazem pronunciamento (José Cruz/Agência Brasil)
Brasília- DF- Brasil- 15/03/2015- Após protestos realizados em todo o país, os ministros da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, e da Justiça, José Eduardo Cardozo, fazem pronunciamento (José Cruz/Agência Brasil) (Foto: Roberta Namour)

247 – O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, afirma que o fim das doações privadas nas campanhas deve ser tratado como o tema central da reforma política: “o financiamento empresarial sequestra a regra básica nas democracias e amplia a exclusão do segmento popular com menos acesso ao poder econômico. Por isso, o crescente e perigoso distanciamento entre políticos e sociedade”.

Em artigo no ‘Globo’, ele diz que “a operação Lava-Jato e o escândalo do metrô de São Paulo expõem as vísceras deste sistema: grandes empreiteiras financiadoras de eleições, políticos dos principais partidos e licitações viciadas em obras públicas. Situação antiga, que evidencia a gênese da corrupção eleitoral”.

Ele destaca ainda a posição majoritária do STF, que afirmou por seis votos contra um a Ação Direta movida pela OAB que sustenta a inconstitucionalidade do financiamento empresarial.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247