Rui rechaça golpe e prega volta de Lula em 2018

O presidente do PT, Rui Falcão, concedeu uma importante entrevista ao jornalista Kennedy Alencar, do SBT; disse que um eventual pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff “certamente será repudiado pela população”; ele afirmou ainda que a oposição precisa “saber perder” e “reconhecer o resultado”; Falcão também acusou o juiz Sergio Moro de ter cometido uma ilegalidade, ao vazar trechos duas delações premiadas para, segundo ele, prejudicar o PT; “Pela lei da delação premiada, você só torna pública a delação premiada quando há denúncia formal”, afirmou; em relação a 2018, ele aposta na volta de Lula; “Continuo preferindo o Lula, desde que ele queira”

www.brasil247.com - O presidente do PT, Rui Falcão, concedeu uma importante entrevista ao jornalista Kennedy Alencar, do SBT; disse que um eventual pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff “certamente será repudiado pela população”; ele afirmou ainda que a oposição precisa “saber perder” e “reconhecer o resultado”; Falcão também acusou o juiz Sergio Moro de ter cometido uma ilegalidade, ao vazar trechos duas delações premiadas para, segundo ele, prejudicar o PT; “Pela lei da delação premiada, você só torna pública a delação premiada quando há denúncia formal”, afirmou; em relação a 2018, ele aposta na volta de Lula; “Continuo preferindo o Lula, desde que ele queira”
O presidente do PT, Rui Falcão, concedeu uma importante entrevista ao jornalista Kennedy Alencar, do SBT; disse que um eventual pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff “certamente será repudiado pela população”; ele afirmou ainda que a oposição precisa “saber perder” e “reconhecer o resultado”; Falcão também acusou o juiz Sergio Moro de ter cometido uma ilegalidade, ao vazar trechos duas delações premiadas para, segundo ele, prejudicar o PT; “Pela lei da delação premiada, você só torna pública a delação premiada quando há denúncia formal”, afirmou; em relação a 2018, ele aposta na volta de Lula; “Continuo preferindo o Lula, desde que ele queira” (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O presidente do PT, Rui Falcão, concedeu uma importante entrevista ao jornalista Kennedy Alencar, do SBT (assista aqui). Nela, fez um alerta em relação a movimentos golpistas que começam a ganhar corpo. Falcão disse que um eventual pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff “certamente será repudiado pela população”. Ele afirmou ainda que a oposição precisa “saber perder” e “reconhecer o resultado”.

O presidente do PT também criticou o senador Aécio Neves (PSDB-MG), presidente nacional do PSDB, que convocou um protesto contra Dilma neste sábado. “Ele imagina que a campanha eleitoral continua. Prossegue no palanque. E uma mais provável é que a derrota lhe subiu à cabeça, porque são tantas manifestações despropositadas”.

Em relação às denúncias de corrupção, ele atacou o financiamento privado de campanhas políticas e defendeu que o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, devolva o processo sobre o caso, em que o STF já decidiu por 6 a 1. “Prefiro acreditar que ele está examinando com mais cautela, apesar de já ter uma formação de maioria. E essa retenção funciona mais como manobra protelatória. Vai ficar muito difícil ele continuar segurando esse processo na mão.”

Crítica a Moro

PUBLICIDADE

Falcão também avalia que o juiz Sergio Moro cometeu uma ilegalidade ao vazar trechos de duas delações premiadas de executivos da construtora Toyo Setal antes de eventual denúncia do Ministério Público. “Pela lei da delação premiada, você só torna pública a delação premiada quando há denúncia formal”, afirmou. “De repente, a pedido de um advogado de uma empreiteira, o juiz rompe o sigilo de dois relatores para tentar nos comprometer, coisa que nós negamos, porque todas doações que o PT recebe são legais. Tanto é que sabem que a doação foi feita porque está declarado na prestação de contas. Estou achando estranho também o rompimento do sigilo antes que qualquer denúncia se efetive.” De acordo com Falcão, a conduta de Moro tem permitido "uma manipulação política" do caso.

Em relação a 2018, ele voltou a defender a volta de Lula, como fez no dia da vitória e de Dilma. “Essa declaração teve um duplo sentido: primeiro, funcionou como elemento de contenção e, ao mesmo tempo, um elemento de motivação em uma hora que as dificuldades se afiguravam muito grande”, disse ele. “Continuo preferindo o Lula, desde que ele queira”. 

PUBLICIDADE

 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email