Seis partidos vão obstruir votações na Câmara

Em entrevista coletiva nesta terça-feria, 24, líderes de bancada do PSOL, PSB, PSDB, DEM, Rede e PPS anunciaram que tentarão impedir todas as votações no plenário da Câmara, até que Eduardo Cunha(PMDB-RJ) deixe a presidência da Casa; grupo anunciou também que não irá mais participar das reuniões semanais que define as pautas de votações e dos almoços das lideranças; "Ficou claro que Eduardo Cunha não mede os esforços quando o objetivo é proteger-se. É um comportamento mesquinho que não combina com o decoro que a Casa exige", disse o líder do PSDB e ex-aliado de Cunha, Carlos Sampaio; para Chico Alencar, líder do PSOL, age com "arrogância" ao não ter "sintonia com a realidade"

Em entrevista coletiva nesta terça-feria, 24, líderes de bancada do PSOL, PSB, PSDB, DEM, Rede e PPS anunciaram que tentarão impedir todas as votações no plenário da Câmara, até que Eduardo Cunha(PMDB-RJ) deixe a presidência da Casa; grupo anunciou também que não irá mais participar das reuniões semanais que define as pautas de votações e dos almoços das lideranças; "Ficou claro que Eduardo Cunha não mede os esforços quando o objetivo é proteger-se. É um comportamento mesquinho que não combina com o decoro que a Casa exige", disse o líder do PSDB e ex-aliado de Cunha, Carlos Sampaio; para Chico Alencar, líder do PSOL, age com "arrogância" ao não ter "sintonia com a realidade"
Em entrevista coletiva nesta terça-feria, 24, líderes de bancada do PSOL, PSB, PSDB, DEM, Rede e PPS anunciaram que tentarão impedir todas as votações no plenário da Câmara, até que Eduardo Cunha(PMDB-RJ) deixe a presidência da Casa; grupo anunciou também que não irá mais participar das reuniões semanais que define as pautas de votações e dos almoços das lideranças; "Ficou claro que Eduardo Cunha não mede os esforços quando o objetivo é proteger-se. É um comportamento mesquinho que não combina com o decoro que a Casa exige", disse o líder do PSDB e ex-aliado de Cunha, Carlos Sampaio; para Chico Alencar, líder do PSOL, age com "arrogância" ao não ter "sintonia com a realidade" (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em entrevista coletiva nesta terça-feria, 24, líderes de bancada de seis partidos - PSOL, PSB, PSDB, DEM, Rede e PPS – anunciaram que tentarão impedir todas as votações no plenário da Câmara, até que Eduardo Cunha(PMDB-RJ) deixe a presidência da Casa. Juntas, as siglas somam 128 dos 513 deputados federais.

O grupo anunciou também que não irão mais participar das reuniões semanais que define as pautas de votações e dos almoços das lideranças, geralmente, realizados às terças-feiras.

De acordo com o líder do PSDB, deputado Carlos Sampaio (SP), ex-aliado de Cunha, a decisão foi tomada em represália às manobras de Cunha para cancelar a reunião do Conselho de Ética que iria analisar o relatório prévio recomendando a continuidade do processo que pede a cassação do mandato do peemedebista.

"Ficou claro que Eduardo Cunha não mede os esforços quando o objetivo é proteger-se. Não queremos um presidente que use o seu cargo. É um comportamento mesquinho que não combina com o decoro que a Casa exige", ressaltou Sampaio.

Para o líder do DEM, deputado Mendonça Filho (PE), que também apoiou a gestão de Eduardo Cunha na Casa, o gesto do peemedebista demonstra que ele tem usado as prerrogativas do cargo de presidente da Câmara para se proteger.

"A cena da semana passada marca, de forma negativa, a história do parlamento. Nós reagimos junto com outros parlamentares, demonstrando nossa insatisfação e revolta como o episódio e a forma como a presidência da Casa foi utilizada para impedir as investigações no Conselho de Ética", destacou o líder do DEM.

Já o líder da Rede, Alessandro Molon (RJ), também afirmou que a Câmara não funcionará normalmente enquanto Cunha estiver no comando dos trabalhos. Na avaliação de Molon, a situação ficou "insustentável". 

Para o líder do PSOL, Chico Alencar (RJ), Cunha age com "arrogância" ao não ter "sintonia com a realidade". "Um presidente de poder que não perceba o que aconteceu na quinta-feira, onde ele inclusive insistiu em tentar reconstituir a sessão plenária e não conseguiu, é alguém que está fora da realidade, está fora do mundo. Alguns poderiam considerar isso elementos de uma psicopatia", ironizou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247