Sem apoio da base, governo já cogita desistir de idade mínima na reforma da Previdência

Dificuldades para aprovar o texto da Reforma da Previdência levaram o governo Michel Temer a reavaliar o projeto enviado ao Congresso, incluindo a proposta para elevar a idade mínima para aposentadoria de acordo com a expectativa de vida da população; governo também estuda alterar as regras de transição, embora pretenda manter a as regras previstas de que homens com menos de 50 anos e mulheres com menos de 45 anos tenham a idade mínima de 65 anos para se aposentar; regras de transição em avaliação, porém, não devem alcançar todos os trabalhadores

Idosos, Temer, reforma da previdência, aposentadoria
Idosos, Temer, reforma da previdência, aposentadoria (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - As dificuldades para aprovar o texto da Reforma da Previdência levaram o governo a reavaliar o projeto enviado ao Congresso, incluindo a proposta para elevar a idade mínima para aposentadoria de acordo com a expectativa de vida da população.

O governo também avalia rediscutir as mudanças previstas para os benefícios assistenciais (BPC-Loas) que, pela proposta original, deixariam de ser vinculados ao salário mínimo passando a ser regulados pelo aumento gradual da idade para receber o auxílio, passando de 65 para 70 anos. As informações são do jornal O Globo

Diante de resistência encontrada no Congresso, que engloba até mesmo parlamentares da base aliada, o governo também estuda alterar as regras de transição, embora pretenda manter a as regras previstas de que homens com menos de 50 anos e mulheres com menos de 45 anos tenham a idade mínima de 65 anos para se aposentar.

No texto enviado ao Congresso, o Governo prevê que a fase de transição tenha sua conclusão em um prazo máximo de 20 anos, quando a idade mínima de 65 anos seria válida para todos. As regras de transição em avaliação, porém, não devem alcançar todos os trabalhadores.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247