Sem pautar impeachment de Bolsonaro, Maia agora lamenta os 100 mil mortos: 'marca absurda'

"Não podemos ficar anestesiados e tratar com naturalidade esses números. Cada vida é única e importa", escreveu Maia, que não dá andamento aos pedidos de impeachment de Bolsonaro e garante o desgoverno no Brasil

Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia
Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Sentado em cima dos diversos pedidos de impeachment de Jair Bolsonaro já protocolados, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, lamentou as 100 mil mortes em decorrência do coronavírus no Brasil.

A pandemia no País é marcada pela falta de uma coordenação nacional, já que o governo Bolsonaro se eximiu de suas responsabilidades.

Mesmo garantindo o Planalto ao bolsonarismo, Maia registrou no Twitter uma mensagem sobre as 100 mil mortes. "Chegamos hoje à absurda marca de 100 mil mortos pela Covid-19. Número que, infelizmente, já havia sido previsto lá atrás, ainda na gestão do ex-ministro Mandetta. Estamos convivendo diariamente com a pandemia, mas não podemos ficar anestesiados e tratar com naturalidade esses números. Cada vida é única e importa. Em nome da Câmara dos Deputados, presto mais uma vez solidariedade aos familiares e amigos das vítimas desta grande tragédia".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247