STF quer transferência de R$ 9,6 mi de Cunha da Suíça

Ministro Teori Zavascki determinou nesta quinta-feira 22 a transferência do dinheiro depositado em nome do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está bloqueado por autoridades suíças; segundo o Ministério Público daquele país, são 2,4 milhões de francos suíços, equivalente a R$ 9,6 milhões, que também ficarão bloqueados no Brasil; o banco Julius Baer, onde Cunha tem conta, chegou a mandar extratos aos investigadores da Suíça; também nesta quinta, Teori negou pedido do parlamentar para que o processo sobre suas contas secretas corresse em segredo de Justiça, a fim de preservar sua imagem

Ministro Teori Zavascki determinou nesta quinta-feira 22 a transferência do dinheiro depositado em nome do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está bloqueado por autoridades suíças; segundo o Ministério Público daquele país, são 2,4 milhões de francos suíços, equivalente a R$ 9,6 milhões, que também ficarão bloqueados no Brasil; o banco Julius Baer, onde Cunha tem conta, chegou a mandar extratos aos investigadores da Suíça; também nesta quinta, Teori negou pedido do parlamentar para que o processo sobre suas contas secretas corresse em segredo de Justiça, a fim de preservar sua imagem
Ministro Teori Zavascki determinou nesta quinta-feira 22 a transferência do dinheiro depositado em nome do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está bloqueado por autoridades suíças; segundo o Ministério Público daquele país, são 2,4 milhões de francos suíços, equivalente a R$ 9,6 milhões, que também ficarão bloqueados no Brasil; o banco Julius Baer, onde Cunha tem conta, chegou a mandar extratos aos investigadores da Suíça; também nesta quinta, Teori negou pedido do parlamentar para que o processo sobre suas contas secretas corresse em segredo de Justiça, a fim de preservar sua imagem (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou nesta quinta-feira 22 a transferência para o Brasil do dinheiro que está em nome do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na Suíça.

A decisão foi do ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo, que também rejeitou hoje pedido de Cunha para que o processo sobre suas contas secretas no exterior corresse em segredo de Justiça, a fim de preservar sua imagem.

Segundo o Ministério Público da Suíça, há 2,4 milhões de francos suíços em nome de Cunha, o equivalente a R$ 9,6 milhões. O dinheiro foi bloqueado pelas autoridades suíças e permanecerá bloqueado no Brasil.

O banco Julius Baer, onde Cunha tem conta registrada em seu nome, chegou a mandar extratos aos investigadores da Suíça comprovando movimentações financeiras do deputado. Outros documentos, no entanto, mostram que o dinheiro do parlamentar circulou por 23 contas em quatro países, a fim de se ocultar sua origem.

A suspeita é de que o montante seja parte de propina paga a Cunha no esquema de corrupção da Petrobras investigado na Operação Lava Jato.

Segundo delatores, o deputado teria sido beneficiado com a compra de dois navios-sonda da Samsung Heavy Industries pela Petrobras. Outra denúncia é de que uma transação de US$ 34,5 milhões da Petrobras na África irrigou quatro contas que têm como beneficiários o presidente da Câmara e sua mulher, Cláudia Cruz.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email