Temer nomeia acusado de assédio moral e sexual como cônsul no Paraguai

Michel Temer nomeou nesta sexta-feira 18 Américo Dyott Fontenelle como cônsul-geral do Brasil em Ciudad del Este, no Paraguai; Fontenelle foi suspenso das atividades de embaixador em 2014 por suspeita de assédio moral, sexual, homofobia e desrespeito no exercício da função de cônsul-geral do Brasil em Sydney (Austrália); em 2007, também foi investigado por assédio moral quando atuava no Canadá; processo, no entanto, foi arquivado e o Itamaraty não puniu o funcionário

Michel Temer nomeou nesta sexta-feira 18 Américo Dyott Fontenelle como cônsul-geral do Brasil em Ciudad del Este, no Paraguai; Fontenelle foi suspenso das atividades de embaixador em 2014 por suspeita de assédio moral, sexual, homofobia e desrespeito no exercício da função de cônsul-geral do Brasil em Sydney (Austrália); em 2007, também foi investigado por assédio moral quando atuava no Canadá; processo, no entanto, foi arquivado e o Itamaraty não puniu o funcionário
Michel Temer nomeou nesta sexta-feira 18 Américo Dyott Fontenelle como cônsul-geral do Brasil em Ciudad del Este, no Paraguai; Fontenelle foi suspenso das atividades de embaixador em 2014 por suspeita de assédio moral, sexual, homofobia e desrespeito no exercício da função de cônsul-geral do Brasil em Sydney (Austrália); em 2007, também foi investigado por assédio moral quando atuava no Canadá; processo, no entanto, foi arquivado e o Itamaraty não puniu o funcionário (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Metrópoles - O presidente Michel Temer (PMDB) nomeou nesta sexta-feira (18/8) Américo Dyott Fontenelle como cônsul-geral do Brasil em Ciudad del Este, no Paraguai. Fontenelle foi suspenso das atividades de embaixador em 2014 por suspeita de assédio moral, sexual, homofobia e desrespeito no exercício da função de cônsul-geral do Brasil em Sydney (Austrália).

Fontenelle tem um histórico de acusações. Em 2007, também foi investigado por assédio moral quando atuava no Canadá. O processo, no entanto, foi arquivado e o Itamaraty não puniu o funcionário.

Em 2013, funcionários que trabalharam com Fontenelle relataram o drama vivido. "Quando você é tão eficiente me dá vontade de te dar um beijo", teria dito o cônsul a Claudia Pereira. Para outra colega, Viviane Jones, ele teria comentado que ficava imaginando o que estava debaixo da blusa dela e que ele caminhava se esfregando nas funcionárias.

Já Alberto Amarilho, funcionário de carreira do Itamaraty, relatou que Fontenelle atacava minorias com expressões como "velha escrota", "negão", "chinês filha da puta".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247