Temer trama para adiar sua “morte” no TSE

Investigado por corrupção, organização criminosa e obstrução judicial, além de alvo de 14 pedidos de impeachment, Michel Temer tenta tirar uma nova carta da manga para se manter no cargo – e garantir seu foro privilegiado; segundo o colunista Josias de Souza, ele articula o apoio de um ministro no Tribunal Superior Eleitoral, que pediria vistas e adiaria o julgamento previsto para 6 de junho; a queda pelo TSE vinha sendo tratada pelo PSDB como a "saída honrosa" para Temer, mas ele pretende lutar para ficar, mesmo sendo rejeitado por 95% dos brasileiros

Investigado por corrupção, organização criminosa e obstrução judicial, além de alvo de 14 pedidos de impeachment, Michel Temer tenta tirar uma nova carta da manga para se manter no cargo – e garantir seu foro privilegiado; segundo o colunista Josias de Souza, ele articula o apoio de um ministro no Tribunal Superior Eleitoral, que pediria vistas e adiaria o julgamento previsto para 6 de junho; a queda pelo TSE vinha sendo tratada pelo PSDB como a "saída honrosa" para Temer, mas ele pretende lutar para ficar, mesmo sendo rejeitado por 95% dos brasileiros
Investigado por corrupção, organização criminosa e obstrução judicial, além de alvo de 14 pedidos de impeachment, Michel Temer tenta tirar uma nova carta da manga para se manter no cargo – e garantir seu foro privilegiado; segundo o colunista Josias de Souza, ele articula o apoio de um ministro no Tribunal Superior Eleitoral, que pediria vistas e adiaria o julgamento previsto para 6 de junho; a queda pelo TSE vinha sendo tratada pelo PSDB como a "saída honrosa" para Temer, mas ele pretende lutar para ficar, mesmo sendo rejeitado por 95% dos brasileiros (Foto: Aquiles Lins)

247 - Investigado por corrupção, organização criminosa e obstrução judicial, além de alvo de 14 pedidos de impeachment, Michel Temer tenta tirar uma nova carta da manga para se manter no cargo – e garantir seu foro privilegiado.

Segundo o colunista Josias de Souza, ele articula o apoio de um ministro no Tribunal Superior Eleitoral, que pediria vistas e adiaria o julgamento previsto para 6 de junho.

"Prevalecendo a tática de Temer, o desfecho pode ser jogado para as calendas, pois não há prazo para a devolução do processo. Deve-se a tentativa de fuga à reversão do placar. Planalto contava com uma vitória apertada: 4 a 3. Passou a recear uma derrota pelo mesmo placar", diz Josias.

"Resta saber se haverá no TSE um ministro com disposição para entrar num jogo de empurra que permitirá a Temer voltar a confiar no amanhã, desde que não se descubra mais nada contra ele durante à noite", acrescenta. 

A queda pelo TSE vinha sendo tratada pelo PSDB como a "saída honrosa" para Temer, mas ele pretende lutar para ficar, mesmo sendo rejeitado por 95% dos brasileiros

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247