Teori envia a Moro citações sobre propina na gestão FHC

Ministro do Supremo enviou ao juiz Sérgio Moro citações feitas pelo senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) em delação premiada que apontam pagamento de propina em um projeto da Petrobras referente à compra de máquinas da empresa Alstom, durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB); suspeita é que a compra de máquinas que haviam apresentado problemas em outros países tenham envolvido propinas de até US$ 10 milhões

Ministro do Supremo enviou ao juiz Sérgio Moro citações feitas pelo senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) em delação premiada que apontam pagamento de propina em um projeto da Petrobras referente à compra de máquinas da empresa Alstom, durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB); suspeita é que a compra de máquinas que haviam apresentado problemas em outros países tenham envolvido propinas de até US$ 10 milhões
Ministro do Supremo enviou ao juiz Sérgio Moro citações feitas pelo senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) em delação premiada que apontam pagamento de propina em um projeto da Petrobras referente à compra de máquinas da empresa Alstom, durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB); suspeita é que a compra de máquinas que haviam apresentado problemas em outros países tenham envolvido propinas de até US$ 10 milhões (Foto: Aline Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki enviou para o juiz Sérgio Moro as citações feitas pelo senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS), em seu acordo de delação premiada, que apontam o pagamento de propina em um projeto da Petrobras, referente à compra de máquinas da empresa Alstom, durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

O depoimento de Delcídio suscitou nos investigadores a suspeita de que a compra dos equipamentos da Alstom tenha envolvido o pagamento de propinas por parte da Petrobras entre os anos de 1999 e 2001.

Teori justificou o envio do material ao juiz Sérgio Moro alegando que as declarações de Delcídio "não revelam envolvimento direto de pessoa com prerrogativa de foro". Ainda segundo ele, cabe a Moro decidir se o caso é ou não de sua competência.

Segundo Delcídio, o esquema teria ocorrido na implementação de um programa para enfrentar o racionamento de energia elétrica e que, antes do programa entrar em vigor, o governo já havia adquirido a máquina GT24, da Alstom, para atender às necessidades da Refinaria Landulfo Alves. A máquina, segundo o parlamentar, já havia apresentado problemas em outros países que haviam adquirido o equipamento.

Delcídio disse, ainda, que a OAS possuía interesse na compra do equipamento e que o então diretor da empreiteira à época, Carlos Laranjeira, teria destinado entre US$ 9 e US$ 10 milhões para o pagamento de propinas a políticos ligados ao PPFL, atual DEM.

O ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró disse em seu depoimento de delação premiada que o senador Delcídio do Amaral teria recebido propina de US$ 10 milhões da Alstom quando ocupava a diretoria de Óleo e Gás da Petrobras durante o governo de FHC, entre 199 e 2001.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247