TSE nega recurso e mantém revisão das contas de Dilma

Defesa da presidente alegava que não há motivos para reanalisar as contas, pois elas já foram aprovadas antes da diplomação, no ano passado; mas o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou o recurso por unanimidade; o ministro Gilmar Mendes, relator do processo, pediu que supostos crimes sejam investigados

Defesa da presidente alegava que não há motivos para reanalisar as contas, pois elas já foram aprovadas antes da diplomação, no ano passado; mas o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou o recurso por unanimidade; o ministro Gilmar Mendes, relator do processo, pediu que supostos crimes sejam investigados
Defesa da presidente alegava que não há motivos para reanalisar as contas, pois elas já foram aprovadas antes da diplomação, no ano passado; mas o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou o recurso por unanimidade; o ministro Gilmar Mendes, relator do processo, pediu que supostos crimes sejam investigados (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

André Richter - Repórter da Agência Brasil

Por unanimidade, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou ontem (15) recurso apresentado pela coligação da presidenta Dilma Rousseff contra decisão do tribunal que determinou novas diligências sobre as contas da campanha eleitoral de 2014. A defesa da presidenta alegou que não há motivos para reanalisar as contas, pois elas já foram aprovadas antes da diplomação, no ano passado.

A decisão foi proferida no processo de prestação de contas da campanha da presidenta Dilma Rousseff à reeleição. Apesar de a prestação ter sido aprovada pelo plenário da Corte em dezembro do ano passado, o ministro Gilmar Mendes, relator do processo, pediu que supostos crimes sejam investigados.

Segundo Mendes, a decisão do TSE que aprovou as contas não considerou as suspeitas de doações ilícitas a partidos investigados na Operação Lava Jato. Por determinação do relator, ofícios foram enviados à Polícia Federal e à Procuradoria-Geral da República (PGR) para novas investigações.

No processo, o PT sustenta que todas as doações que o partido recebeu foram feitas estritamente dentro dos parâmetros legais e, posteriormente, declaradas à Justiça Eleitoral.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email