TSE pode se desmoralizar e salvar Temer para manter “estabilidade política“

Ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) podem estar dispostos a ignorar provas de corrupção na campanha de 2014 para, assim, manterem Michel Temer na Presidência da República; a justificativa dos magistrados para uma eventual permanência de Temer, mesmo se forem provadas as várias denúncias de corrupção e caixa dois, é a manutenção da "estabilidade política do País"; a avaliação é expressa, porém, antes da apresentação do relatório de Herman Benjamin, sem data ainda para conclusão e cujo conteúdo está em elaboração

Ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) podem estar dispostos a ignorar provas de corrupção na campanha de 2014 para, assim, manterem Michel Temer na Presidência da República; a justificativa dos magistrados para uma eventual permanência de Temer, mesmo se forem provadas as várias denúncias de corrupção e caixa dois, é a manutenção da "estabilidade política do País"; a avaliação é expressa, porém, antes da apresentação do relatório de Herman Benjamin, sem data ainda para conclusão e cujo conteúdo está em elaboração
Ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) podem estar dispostos a ignorar provas de corrupção na campanha de 2014 para, assim, manterem Michel Temer na Presidência da República; a justificativa dos magistrados para uma eventual permanência de Temer, mesmo se forem provadas as várias denúncias de corrupção e caixa dois, é a manutenção da "estabilidade política do País"; a avaliação é expressa, porém, antes da apresentação do relatório de Herman Benjamin, sem data ainda para conclusão e cujo conteúdo está em elaboração (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Nos bastidores, a maioria dos ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) afirma que ainda é preciso considerar a estabilidade política do País no julgamento do processo que pede a cassação da chapa por abuso de poder econômico e político nas eleições de 2014, quando a petista se reelegeu e o atual presidente era vice.

As informações são de reportagem de Beatriz Bulla e Rafael Moraes Moura no Estado de S.Paulo

"O Estado conversou com cinco ministros do TSE – a corte é formada por sete titulares. O posicionamento desses julgadores, que se manifestaram sob a condição de que não fossem identificados, indica que a tendência hoje seria manter o mandato de Temer. A avaliação é expressa, porém, antes da apresentação do relatório de Herman Benjamin, sem data ainda para conclusão e cujo conteúdo está em elaboração. Os ministros já dão como certo o pedido de cassação.

Em conversas reservadas, os julgadores consultados consideram que o País já sofreu com o impeachment de Dilma, cassada em agosto do ano passado, e uma eventual deposição de Temer do Palácio do Planalto aprofundaria a crise política e causaria um cenário de incertezas. Há ministros que admitem também que a recuperação da economia pode criar um clima favorável no TSE para livrar o presidente de uma eventual condenação.
“Pode até ter pecado, mas a gente vai produzir um prejuízo maior?”, questionou um membro do TSE, ao ressaltar a “consciência política coletiva” dos colegas. Outro ministro ouvido reservadamente afirmou que é necessário “cuidar do País”.

Nos próximos dias, contudo, a Procuradoria-Geral da República (PGR) vai enviar ao Supremo Tribunal Federal (STF) a “lista de Janot”, com pedidos de abertura de inquéritos com base nas delações da Odebrecht, e outras revelações podem vir à tona. Nos bastidores, os ministros especulam, com preocupação por causa da incerteza do momento, quais seriam os cenários caso Temer fosse cassado."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247