Virgílio ironiza tentativa de Alckmin de debater com Bolsonaro

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB), ironizou o pedido do presidenciável da sigla tucana, Geraldo Alckmin, para debater com o também pré-candidato ao Palácio do Planalto Jair Bolsonaro (PSL-RJ); "Eu fiquei até mudo de tanto pedir debate ao Geraldo enquanto estava concorrendo às prévias do partido, até perceber que aquilo era uma farsa"

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB), ironizou o pedido do presidenciável da sigla tucana, Geraldo Alckmin, para debater com o também pré-candidato ao Palácio do Planalto Jair Bolsonaro (PSL-RJ); "Eu fiquei até mudo de tanto pedir debate ao Geraldo enquanto estava concorrendo às prévias do partido, até perceber que aquilo era uma farsa"
O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB), ironizou o pedido do presidenciável da sigla tucana, Geraldo Alckmin, para debater com o também pré-candidato ao Palácio do Planalto Jair Bolsonaro (PSL-RJ); "Eu fiquei até mudo de tanto pedir debate ao Geraldo enquanto estava concorrendo às prévias do partido, até perceber que aquilo era uma farsa" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB), ironizou o pedido do presidenciável do partido Geraldo Alckmin para debater com o também pré-candidato ao Palácio do Planalto Jair Bolsonaro (PSL-RJ). 

"Deve ser castigo. Quem tanto reclama de falta de debate deveria ter aberto os olhos para quem reclamava debate contra ele há pouco tempo", disse Virgílio, conforme relato da coluna Expresso. "Eu fiquei até mudo de tanto pedir debate ao Geraldo enquanto estava concorrendo às prévias do partido, até perceber que aquilo era uma farsa", complementou.

Na última quarta-feira (6), Alckmin postou no Twitter: "Não conheço as propostas do Bolsonaro para segurança pública, mas faço o convite. Vamos debater sobre segurança?".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247