LeFigaro
 (photo: Sebastian Kaulitzki)
Conteúdo oferecido por Caixa Seguradora
02.10.2018, 22:00

Imunoterapia. Usando o corpo para combater o câncer

A chegada da imunoterapia possibilitou melhorar a sobrevida de muitos pacientes de certos tipos de cânceres, mas nem todos os doentes respondem ao tratamento. O desafio agora é encontrar novas combinações eficazes para um maior número de pessoas e de formas de câncer.


 

Por: Anne-Laure Lebrun – Le Figaro Santé

 

O Nobel de Medicina foi atribuído nesta segunda feira a dois cientistas, o americano James P. Allison e o japonês Tasuku Honjo, por sua descoberta de um tipo de terapia que faz com que células de defesa do organismo voltem a atacar tumores. Os dois desenvolveram pesquisas, separadamente, sobre duas proteínas produzidas por tumores — a CTLA-4 e a PD-1 — que paralisam o sistema imune do paciente durante o tratamento de câncer.

“Os tumores produzem as proteínas, chamadas de checkpoints, que bloqueiam o linfócito T, que é a célula mais importante do sistema imune que ataca o tumor. Essas drogas (pesquisadas) retiram esse bloqueio e recuperam o poder de ataque dos linfócitos que estavam paralisados por essas proteínas", explica o oncologista Fernando Maluf, diretor associado do Centro de Oncologia da Beneficência Portuguesa de São Paulo.

O imunologista James P. Allison, 70, da Universidade do Texas, estudou a proteína CTLA-4. Ele descobriu que um bloqueio da proteína poderia retirar o freio sobre os linfócitos T, fazendo com que as células voltassem a atacar o tumor. Em 1994, Allison realizou o primeiro experimento em ratos, que ficaram curados após o tratamento.

Em 2010, um estudo clínico mostrou efeitos "impressionantes", segundo a Academia sueca, em pacientes com melanoma (um tipo de câncer de pele) avançado, que não haviam sido observados antes.

Já o imunologista Tasuku Honjo, 76, da Universidade de Kyoto, no Japão, estudou uma outra proteína, a PD-1, que também atuava sobre os linfócitos T, só que de forma diferente. Após experimentos em laboratório, um estudo realizado em 2012 também demonstrou eficácia em tratar pacientes com diversos tipos de câncer.

O cientista norte-americano James P. Allison (direita) e seu colega japonês Tasuku Honjo (esquerda), ganhadores do Prêmio Nobel de Medicina 2018.

O cientista norte-americano James P. Allison (direita) e seu colega japonês Tasuku Honjo (esquerda), ganhadores do Prêmio Nobel de Medicina 2018.

“Os resultados foram dramáticos, com remissão a longo prazo e possível cura em alguns pacientes com câncer metastático, uma condição que antes era considerada basicamente intratável", afirmou a Academia.

Os melhores resultados clínicos foram obtidos combinando os tratamentos com drogas que atuavam tanto contra a CTLA-4 quanto contra a PD-1, principalmente em casos de melanoma e câncer renal. “A outra pesquisa importante é agora combinar as imunoterapias entre si e as imunoterapias com quimioterapias ou com os agentes alvo-dirigidos”, avalia Maluf.

Maluf explica que esse tipo de tratamento, a imunoterapia inibidora de checkpoints, já é utilizado em pacientes com câncer em estado avançado, no Brasil e no mundo, há cerca de quatro anos. No país, existe uma droga que bloqueia a CTLA-4 e outras cinco que atuam sobre a PD-1. Tais drogas normalmente são utilizadas em pessoas que não responderam a outros tratamentos.

Essas drogas foram associadas a ganho de sobrevida global em tumores graves como melanoma, câncer de pulmão, de bexiga, de rim, de cabeça e pescoço, linfoma, tumores intestinais, de fígado, gástricos também. São drogas que hoje fazem parte do dia a dia em várias situações importantes com tumores graves e muito avançados. Elas também trazem menos efeitos colaterais que a quimioterapia tradicional.

A chegada da imunoterapia trouxe novas e importantes esperanças para certos pacientes que sofrem de cânceres, particularmente o melanoma e os cânceres de pulmão. Graças a essas moléculas que reativam o sistema imunológico contra as células cancerosas, a sobrevida dos pacientes melhorou consideravelmente. “Transformamos uma doença mortal a curto prazo em uma doença crônica com a qual podemos viver muitos anos. Os pacientes podem trabalhar, viajar, fazer projetos”, informa Hervé Léna, oncologista do Hospital Central da cidade de Rennes, na França.

No Congresso Mundial de Oncologia de Chicago (ASCO) realizado de 1o a 5 de junho último, foram apresentados numerosos estudos que demonstram a superioridade desses tratamentos por meios imunológicos face à quimioterapia convencional.

 

IMUNOTERAPIA CONTRA CÂNCER RENDE NOBEL DE MEDICINA

 

Fonte: http://revistapesquisa.fapesp

 

As contribuições do norte-americano James Allison para a concepção de uma terapia biológica contra o câncer começaram a se desenhar no início da década de 1990, quando ele iniciou uma série de estudos sobre uma proteína chamada CTLA-4, expressa na superfície dos linfócitos T, um tipo de célula do sistema imunológico responsável pela defesa do organismo contra agentes infecciosos, como vírus e bactérias.

Tão logo o invasor é reconhecido, um conjunto de proteínas ativa o sistema imune do organismo, que passa a atacar o agente invasor. Com o tempo, os pesquisadores identificaram que outras proteínas interrompiam a ação do sistema imune no momento em que o ataque era controlado. Esse sistema orquestrado é fundamental para o mecanismo de controle do sistema imunológico, porque assegura que ele esteja suficientemente envolvido no ataque contra microrganismos estranhos ou células infectadas, ao mesmo tempo que evita sua ação exacerbada, o que poderia levar à destruição de células e tecidos saudáveis.

Acontece que os tumores conseguem se esquivar do ataque do sistema imune, inativando-o após algum tempo. Em outras palavras, o sistema imunológico do organismo afetado deixa de reconhecer as células tumorais como algo anormal. A partir de então, elas passam a aumentar e se proliferar descontroladamente, disseminando-se para órgãos e tecidos saudáveis.

Como muitos outros pesquisadores, Allison verificou que a CTLA-4 era uma das proteínas que bloqueavam a ação dos linfócitos T. Em 1994, ele e sua equipe da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos, resolveram investir no desenvolvimento de um anticorpo que se ligasse a essa proteína, inativando-a. Ao inibir a CTLA-4, os pesquisadores pretendiam soltar os freios dos linfócitos T, liberando-os para atacar as células cancerígenas. A estratégia foi muito bem-sucedida em experimentos com camundongos.

A administração do anticorpo inibiu a CTLA-4 e reativou os linfócitos T, que, agindo sobre as células tumorais, impediram sua proliferação. Apesar do desinteresse da indústria farmacêutica em levar a estratégia adiante, Allison seguiu trabalhando no aprimoramento da terapia. Em 2010, ele e sua equipe a aplicaram em pessoas com melanoma, o câncer de pele mais agressivo e letal. Em vários pacientes, os tumores simplesmente desapareceram. Esses estudos levaram ao desenvolvimento do ipilimumab, primeiro anticorpo monoclonal contra a CTLA-4 aprovado em 2011 pela Food and Drug Administration (FDA), agência que regula o comércio de alimentos e remédios nos Estados Unidos.

Em 1992, apenas alguns anos antes de Alisson iniciar seus estudos com a CTLA-4, a equipe do imunologista japonês Tasuku Honjo identificou a PD-1, outra proteína expressa na superfície dos linfócitos T. Empenhado em desvendar seu mecanismo de ação, ele a analisou em uma série de experimentos levados a cabo em seu laboratório na Universidade de Kyoto. Honjo verificou que a PD-1, assim como a CTLA-4, agia no sentido de inibir a ação do sistema imunológico. O resultado foi o desenvolvimento de um anticorpo anti-PD-1, testado em experimentos com modelos animais. A estratégia mostrou-se promissora contra o câncer. Em 2012, um estudo demonstrou sua eficácia no tratamento de indivíduos com diferentes tipos de tumor, inclusive em pacientes com câncer metastático, condição até então considerada impossível de tratar.

Na avaliação do médico Roger Chammas, professor de oncologia na Faculdade de Medicina na Universidade de São Paulo (FM-USP) e coordenador do Centro de Investigação Translacional em Oncologia do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), a premiação de Alisson e Honjo é mais do que justa, uma vez que há mais de 100 anos os pesquisadores tentam usar o sistema imunológico contra os tumores. “Trata-se de um belo exemplo de um conceito que emergiu da pesquisa básica, converteu-se em uma estratégia que superou todas as etapas de estudos e testes clínicos até poder ser usada no tratamento contra alguns tipos de tumor”, destaca o pesquisador. “Sem a pesquisa básica feita por esses imunologistas, a fundamentação teórica dessa intervenção clínica talvez não fosse possível.”

Segundo Chammas, as descobertas de Allison e Honjo representam um princípio completamente novo na terapia antitumoral porque, diferentemente das estratégias anteriores, não visa às células cancerígenas, mas, sim, os mecanismos de inibição do sistema imunológico do organismo afetado. “Graças à estratégia desenvolvida por eles, atualmente dispomos de vários anticorpos monoclonais que agem sobre essa mesma via, que, combinados a outras abordagens, estão ajudando a aperfeiçoar a terapia tumoral”, completa. Muitas pessoas estão se beneficiando dessa estratégia, inclusive no Brasil.

Outra ressalva é que, por ora, esses anticorpos são efetivos apenas contra tumores imunogênicos, que geram uma resposta imune do organismo hospedeiro, como no caso dos melanomas.  “No entanto, hoje já existem testes laboratoriais que ajudam a predizer se o tumor responderá à imunoterapia de forma efetiva”, completa o médico.