Antes a favor, Bolsonaro agora quer dminuir efeitos da PEC dos Gastos

Apoiador de primeira hora da proposta que congelou investimentos públicos pelos próximos quase vinte anos, Bolsonaro, agora no Governo, quer "flexibilizar a medida", conforme informado por seu porta-voz em entrevista concedida à imprensa

Porta-voz da presidência da República, Otávio Rêgo Barros
Porta-voz da presidência da República, Otávio Rêgo Barros (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

247 - Apoiador da "PEC dos Gastos", aprovada e transformada em emenda que congela investimentos em áreas essenciais pelos próximos quase vinte anos, Jair Bolsonaro (PSL) agora quer revertê-la. O líder de extrema-direita, à época no PSC do Rio de Janeiro, votou a favor da Emenda Constitucional 95, aprovada durante o Governo Michel Temer (MDB, 2016-2018), assim como seu filho Eduardo Bolsonaro (PSC-SP).

A informação foi repassada pelo porta-voz do Governo, Otávio dos Santos Rêgo Barros, durante entrevista com a imprensa. Já na manhã de ontem, em café da manhã com jornalistas, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, também sinalizara a intenção do Governo em rever a rigidez da emenda, que limita à proporcionalidade à oscilação da inflação o crescimento dos investimentos públicos.

A Proposta de Emenda Constituicional (PEC) que resultou na Emenda 95 foi chamada PEC da morte, porque considerada danosa ao crescimento econômico do país e às melhorias na qualidade de vida, visto que a limitação em investimentos em saúde e educação, bem como em setores essenciais para geração de emprego e renda, não permitiriam a obtenção de qualquer vantagem da suposta economia de gastos advinda da medida.

Outras informações na Agência Brasil.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247