Bivar critica reforma tributária e diz que Maia "não ouve o PSL"

O presidente do PSL, deputado Luciano Bivar (PE), criticou as negociações para construir o texto da reforma tributária na Câmara. De acordo com o dirigente, que preside o partido do presidente Jair Bolsonaro, a proposta da reforma tributária defendida pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é um "Frankenstein". Ele disse que Maia "não ouve o PSL"

(Foto: Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente do PSL, deputado federal Luciano Bivar (PE), criticou nesta quarta-feira (14) as negociações para construir o texto da reforma tributária na Câmara dos Deputados. A informação é do Blog de Andréia Sadi. A declaração reflete novamente as dificuldades de articulação do governo Jair Bolsonaro com parlamentares do Congresso Nacional.

De acordo com o dirigente, que preside o partido do presidente Jair Bolsonaro, a proposta da reforma tributária defendida pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é um "Frankenstein". Ele disse que Maia "não ouve o PSL".

"Essa reforma tributária como está é um Frankenstein", declarou Bivar. "Eu estou muito preocupado, nem Picasso desenharia uma reforma tributária dessas. Sou empresário, acompanho a discussão e a Câmara colocou a proposta só porque sabia que o governo vinha com uma", acrescentou.

O presidente reclamou do "discurso" do deputado Alexandre Frota de que a reforma da Previdência é obra de Maia. "Mas como Frota quer trazer para Maia a vitória total se foi o governo Bolsonaro que colocou tudo na mesa? Não só a Previdência, mas outras questões, como a questão LGBT", declarou.


 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247