Bolsonaro minimiza votação que pode derrubar decreto de armas: 'Derrota não é minha'

Jair Bolsonaro minimizou o avanço de um projeto no Senado que pode invalidar decreto que flexibiliza o armamento; "A derrota não é minha. Eu não acredito que o Parlamento vai derrotar o povo", disse; pesquisa do Ibope havia apontado que 61% são contra a proposta sobre a posse de arma e 73% contrários ao seu porte para cidadãos comuns

Bolsonaro minimiza votação que pode derrubar decreto de armas: 'Derrota não é minha'
Bolsonaro minimiza votação que pode derrubar decreto de armas: 'Derrota não é minha' (Foto: Esq.: Alan Santos - PR )
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente Jair Bolsonaro minimizou o avanço de um projeto no Senado que pode invalidar decreto editado por ele em maio que flexibiliza o porte e a posse de armas no País. 

"A derrota não é minha. Eu não acredito que o Parlamento vai derrotar o povo. Eles [população] decidiram em 2005 pelo direito de comprar armas e munições. E eu não fui além do previsto na lei do estatuo do desarmamento. Apenas botamos limites, porque muita coisa ali está em aberto e a legislação nos dá esse direito, via decreto, a adequar a lei eu sua plenitude. Não tem nada inconstitucional ali", disse o chefe do Planalto na manhã desta quinta-feira (13).

"Não pode uma parte da população, a de má índole, estar muito bem armada, e o cidadão de bem, para o lado de cá, estar desarmado", acrescentou.

No começo deste mês, uma pesquisa feita pelo Ibope apontou que 61% dos brasileiras são contra a flexibilização das regras de posse de armas e 73% se disseram contrários ao porte de armas para cidadãos comuns. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247