Bolsonaro recebe Nelson Teich, cotado para substituir Mandetta na Saúde

Em reunião fora da agenda oficial, Jair Bolsonaro recebeu o oncologista Nelson Teich no Palácio do Planalto, em reunião da qual participaram os generais Braga Netto, ministro da Casa Civil, e Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria-Geral da Presidência

(Foto: REUTERS/Adriano Machado | Reprodução/YouTube)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

BRASÍLIA (Reuters) - Enquanto a atual equipe do Ministério da Saúde prepara sua saída para os próximos dias, o presidente Jair Bolsonaro encontrou-se nesta quinta-feira com o oncologista Nelson Teich, um dos cotados para substituir o ministro Luiz Henrique Mandetta.

Em reunião pela manhã que não foi colocada na agenda oficial da Presidência, o médico foi recebido por Bolsonaro e ministros palacianos, disseram duas fontes com conhecimento do encontro.

Participaram os ministros da Casa Civil, Walter Braga Netto; da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos; e da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira, além do secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, que é um dos defensores do nome de Teich.

O oncologista chegou a ser cogitado para o cargo de ministro a Saúde em 2018, ainda no período do governo de transição, quando Bolsonaro escolhia seu ministério. O então presidente-eleito, optou, no entanto, pelo ex-deputado Mandetta, que foi indicação da Frente Parlamentar da Saúde.

Em um artigo publicado na rede LinkedIn, Teich defendeu medidas para conter a epidemia de coronavírus semelhantes às que o ministério está adotando atualmente, que são contrariadas por Bolsonaro e estão por trás da provável troca de Mandetta.

O oncologista destaca a necessidade de “reduzir o volume de entrada simultânea” no Sistema Único de Saúde —o chamado achatamento da curva— e do isolamento horizontal.

“Diante da falta de informações detalhadas e completas do comportamento, da morbidade e da letalidade da Covid-19, e com a possibilidade do Sistema de Saúde não ser capaz de absorver a demanda crescente de pacientes, a opção pelo isolamento horizontal, onde toda a população que não executa atividades essenciais precisa seguir medidas de distanciamento social, é a melhor estratégia no momento”, escreveu o médico, que também apresenta restrições ao chamado isolamento vertical, defendido por Bolsonaro.

Teich fala ainda em um isolamento “inteligente”, com testagem em massa e monitoramento de aglomerações — não por coincidência, o mesmo foi defendido pelo vice-presidente Hamilton Mourão esta semana.

O oncologista, que é próximo do secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos do Ministério da Saúde, Denizar Vianna, de quem foi sócio, chegou a ser consultor da secretaria até janeiro deste ano.

Sem citar o nome dele, Mandetta comentou, em uma live com o Fórum de Inovação Saúde (FIS) nesta manhã, sobre “um dos nomes que está saindo aí” como cotado para substituí-lo.

“O Denizar conhece bem, eu também o conheci em Londres, é um pesquisador. Mas não conhece bem o SUS. Não tem problema, o Denizar ajuda. Ninguém precisa sair em solidariedade, não tem isso”, disse o ministro.

De acordo com uma fonte, outros nomes cotados para o cargo devem conversar com o presidente nos próximos dias.

Um deles é o oftalmologista Claudio Lottenberg, presidente do conselho de administração do Hospital Albert Einstein, que deve encontrar Bolsonaro na sexta-feira.

Outro nome que tem surgido é o da a cardiologista e pesquisadora Ludhmila Hajjar, diretora de Ciência e Inovação da Sociedade Brasileira de Cardiologia.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247