Chanceler do golpe é investigado por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

O novo ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB-SP), anunciado nesta quinta-feira 2 para o cargo pelo governo Michel Temer, é alvo de um inquérito no Supremo Tribunal Federal acusado de crime eleitoral de falsidade ideológica e lavagem de dinheiro; a investigação foi aberta em setembro passado por determinação do ministro Celso de Mello e tem como base a delação premiada do empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC

Aloysio Nunes
Aloysio Nunes (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O novo ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB-SP), é investigado no Supremo Tribunal Federal acusado de crime eleitoral de falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

O senador foi convidado para o cargo nesta quinta-feira 2 por Michel Temer, respondeu positivamente e já teve o nome oficializado pelo governo. Ele ocupará a vaga deixada por José Serra, que pediu demissão alegando motivos de saúde.

A investigação contra Aloysio Nunes foi aberta em setembro de 2015 por determinação do ministro Celso de Mello e tem como base a delação premiada do empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC.

Segundo Pessoa, Aloysio recebeu da UTC R$ 300 mil de forma oficial e outros R$ 200 mil de caixa dois durante sua campanha ao Senado em 2010. O dinheiro é oriundo de propina paga para favorecer contratos entre a empreiteira e a Petrobras.

No pedido da Procuradoria Geral da República para a abertura da investigação, Rodrigo Janot afirma que, apesar de o testemunho de Pessoa estar relacionado à Operação Lava Jato, os "fatos criminosos" supostamente cometidos por Aloysio não estão ligados às fraudes na Petrobras.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247