Conselho Tutelar é acionado após Bolsonaro desfilar com crianças desprotegidas no 7 de Setembro

Movimento Nacional de Direitos Humanos acionou o Conselho Tutelar após Jair Bolsonaro participar da cerimônia do Sete de Setembro sem máscara e com crianças desprotegidas

Bolsonaro desfila com crianças no Dia da Independência
Bolsonaro desfila com crianças no Dia da Independência (Foto: Alan Santos/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Movimento Nacional de Direitos Humanos ingressou com uma representação contra Jair Bolsonaro junto ao Conselho Tutelar de Brasília. O movimento pede que seja apurado se Bolsonaro violou pontos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) ao desfilar sem máscara na cerimônia do Sete de Setembro ao lado de crianças que também se encontravam desprotegidas. 

"É notório que o presidente colocou em risco a saúde das crianças, tendo em vista seu alto poder de contágio e todas as recomendações sanitárias tanto nacionais quanto internacionais que foram violadas", diz a representação. 

Segundo reportagem da coluna Painel, da Folha de S. Paulo, o movimento solicita que o Juizado da Infância e Juventude e o Ministério Público sejam oficiados para realizar os procedimentos de uma apuração administrativa, além de pedir que o Conselho Tutelar convide os pais a esclarecer sobre a saúde das crianças em meio à pandemia do novo coronavírus. 

A Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom) informou que as crianças que estiveram ao lado de Bolsonaro no evento eram filhos de autoridades e convidados.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email