Crise institucional adia a PEC do fim do mundo

A sessão deliberativa do plenário do Senado marcada para esta tarde foi cancelada pelo primeiro vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC), em função das discussões em torno do afastamento do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), determinado ontem pelo ministro do STF Marco Aurélio Mello; a sessão do Congresso, que é comandada pelo presidente do Senado, e deveria ter ocorrido nesta manhã, também foi cancelada; o cancelamento pode atrapalhar a contagem de prazo para a votação da PEC 55, do teto dos gastos, prevista para o próximo dia 13; para que se cumpra a data, os senadores teriam que abrir uma sessão extraordinária em dia que já não esteja marcada sessão de votações; vídeo

A sessão deliberativa do plenário do Senado marcada para esta tarde foi cancelada pelo primeiro vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC), em função das discussões em torno do afastamento do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), determinado ontem pelo ministro do STF Marco Aurélio Mello; a sessão do Congresso, que é comandada pelo presidente do Senado, e deveria ter ocorrido nesta manhã, também foi cancelada; o cancelamento pode atrapalhar a contagem de prazo para a votação da PEC 55, do teto dos gastos, prevista para o próximo dia 13; para que se cumpra a data, os senadores teriam que abrir uma sessão extraordinária em dia que já não esteja marcada sessão de votações; vídeo
A sessão deliberativa do plenário do Senado marcada para esta tarde foi cancelada pelo primeiro vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC), em função das discussões em torno do afastamento do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), determinado ontem pelo ministro do STF Marco Aurélio Mello; a sessão do Congresso, que é comandada pelo presidente do Senado, e deveria ter ocorrido nesta manhã, também foi cancelada; o cancelamento pode atrapalhar a contagem de prazo para a votação da PEC 55, do teto dos gastos, prevista para o próximo dia 13; para que se cumpra a data, os senadores teriam que abrir uma sessão extraordinária em dia que já não esteja marcada sessão de votações; vídeo (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Yara Aquino - Repórter da Agência Brasil

A sessão deliberativa do plenário do Senado marcada para a tarde de hoje (6) foi cancelada em função das discussões em torno do afastamento do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), determinado ontem (5) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio. A sessão do Congresso Nacional, que é comandada pelo presidente do Senado, e deveria ter ocorrido nesta manhã, também foi cancelada.

O cancelamento da sessão do Senado pode atrapalhar a contagem de prazo para a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55, conhecida como PEC do Teto dos Gastos Públicos, prevista para o próximo dia 13. Para que se cumpra a data, os senadores teriam que abrir uma sessão extraordinária em dia que já não esteja marcada sessão de votações.

 

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), demonstrou preocupação com a votação da PEC e disse que ela deve ser levada em frente independente de quem esteja na presidência do Senado. O senador petista Tião Viana (AC) é o primeiro na linha sucessória da presidência da Casa.

"Uma questão sobre a qual não pode pairar nenhuma dúvida é votação da PEC do Teto no próximo dia 13. Ela é fruto de um acordo entre oposição e governo nesta Casa. Não podemos permitir que a eventualidade de uma substituição da presidência do Senado transforme a cadeira da liderança maior dessa instituição num bunker partidário", disse Aécio.

Na pauta da sessão de hoje do Congresso Nacional estavam destaques ao projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2017, vetos presidenciais e projetos de lei com crédito orçamentário. O cancelamento da sessão do Senado foi determinada pelo primeiro vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC). Na pauta estava a votação do projeto que atualiza a lei de abuso de autoridade.

Recurso

Nesta manhã, o Senado entrou com um recurso no STF para reverter a decisão liminar do ministro Marco Aurélio que retira Renan do cargo de presidente. Aécio Neves pediu agilidade do Supremo no julgamento do recurso.

"Esse impasse não pode perdurar por mais 24 horas. Fizemos um apelo a ministra Cármem Lúcia [presidente do Supremo Tribunal Federal] de que no máximo até amanhã essa questão seja decidida pelo pleno do Supremo. Não pode ter esse vácuo de poder a partir da liminar de um magistrado da Suprema Corte", disse o senador tucano.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247