Cunha diz que Moro não tem competência para prendê-lo

Em nota, o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) diz que a decisão de mandar prendê-lo é "absurda" e "sem motivação"; "A referida ação cautelar do Supremo, que pedia minha prisão preventiva, foi extinta e o juiz, nos fundamentos da decretação de prisão, utiliza os fundamentos dessa ação cautelar, bem como de fatos atinentes a outros inquéritos que não estão sob sua jurisdição, não sendo ele juiz competente para deliberar", diz o texto; "Meus advogados tomarão as medidas cabíveis para enfrentar essa absurda decisão", acrescenta Cunha

Em nota, o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) diz que a decisão de mandar prendê-lo é "absurda" e "sem motivação"; "A referida ação cautelar do Supremo, que pedia minha prisão preventiva, foi extinta e o juiz, nos fundamentos da decretação de prisão, utiliza os fundamentos dessa ação cautelar, bem como de fatos atinentes a outros inquéritos que não estão sob sua jurisdição, não sendo ele juiz competente para deliberar", diz o texto; "Meus advogados tomarão as medidas cabíveis para enfrentar essa absurda decisão", acrescenta Cunha
Em nota, o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) diz que a decisão de mandar prendê-lo é "absurda" e "sem motivação"; "A referida ação cautelar do Supremo, que pedia minha prisão preventiva, foi extinta e o juiz, nos fundamentos da decretação de prisão, utiliza os fundamentos dessa ação cautelar, bem como de fatos atinentes a outros inquéritos que não estão sob sua jurisdição, não sendo ele juiz competente para deliberar", diz o texto; "Meus advogados tomarão as medidas cabíveis para enfrentar essa absurda decisão", acrescenta Cunha (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasília 247 - Em nota, o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que foi preso nesta tarde após determinação do juiz Sérgio Moro, diz que a decisão é "absurda" e "sem nenhuma motivação".

"A referida ação cautelar do Supremo, que pedia minha prisão preventiva, foi extinta e o juiz, nos fundamentos da decretação de prisão, utiliza os fundamentos dessa ação cautelar, bem como de fatos atinentes a outros inquéritos que não estão sob sua jurisdição, não sendo ele juiz competente para deliberar", diz o texto. Cunha anuncia que seus advogados tomarão "as medidas cabíveis" sobre o caso.

Leia a íntegra:

Tendo em vista o mandado de prisão preventiva decretado hoje pela 13ª Vara Federal do Paraná, tenho a declarar o que se segue:

Trata-se de uma decisão absurda, sem nenhuma motivação e utilizando-se dos argumentos de uma ação cautelar extinta pelo Supremo Tribunal Federal.

A referida ação cautelar do Supremo, que pedia minha prisão preventiva, foi extinta e o juiz, nos fundamentos da decretação de prisão, utiliza os fundamentos dessa ação cautelar, bem como de fatos atinentes a outros inquéritos que não estão sob sua jurisdição, não sendo ele juiz competente para deliberar.

Meus advogados tomarão as medidas cabíveis para enfrentar essa absurda decisão.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247