Cunha prepara sua vingança contra Janot

Deputados devem apresentar emenda que proíbe a recondução ao cargo do procurador-geral da República; medida é vista como uma demonstração de força do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, contra Rodrigo Janot, após comandar uma busca e apreensão no gabinete no peemedebista 

Deputados devem apresentar emenda que proíbe a recondução ao cargo do procurador-geral da República; medida é vista como uma demonstração de força do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, contra Rodrigo Janot, após comandar uma busca e apreensão no gabinete no peemedebista 
Deputados devem apresentar emenda que proíbe a recondução ao cargo do procurador-geral da República; medida é vista como uma demonstração de força do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, contra Rodrigo Janot, após comandar uma busca e apreensão no gabinete no peemedebista  (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O deputado federal Paulinho da Força (SDD-SP) iniciou a coleta de assinaturas para a apresentação de uma emenda proíbe a recondução ao cargo do procurador-geral da República. Se o texto for aprovado antes do segundo semestre, a medida afetaria Rodrigo Janot, cujo mandato termina em setembro. 

"A recondução de um procurador-geral já viciado não é boa para o Ministério Público. É importante que haja uma oxigenação", disse Paulinho, sobre o procurador responsável por inquéritos contra políticos na Operação Lava Jato.

Na última semana,o  presidente Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acusou Janot, que decidiu dar continuidade ao inquérito sobre sua participação na Lava Jato, de ter uma "querela" desde que foi contestado por ele: "Ele escolheu a mim e está insistindo na querela pessoal porque eu o contestei. Virou um problema pessoal dele comigo", afirmou.

Ele também criticou a operação de uma busca e apreensão em seu gabinete: “É uma tentativa de procurar prova para justificar algo que não aconteceu. São circunstâncias que mostram o desespero do procurador de tentar encontrar alguma coisa que possa tentar me incriminar”, rebateu Cunha na ocasião. “O que foi feito aqui foi absolutamente desnecessário; bastava enviar um ofício que daríamos acesso”, concluiu Cunha.

Leia aqui reportagem de Andréia Sadi sobre o assunto. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247