Depoimento de Paulo Marinho é posto sob sigilo por Celso de Mello

O decano do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, pôs sob sigilo os depoimentos de Paulo Marinho e do chefe de gabinete do senador Flávio Bolsonaro, Miguel Ângelo Braga Grillo, no inquérito que apura as ‘interferências políticas’ de Jair Bolsonaro na Polícia Federal

Empresário Paulo Marinho
Empresário Paulo Marinho (Foto: Roque de Sá/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), colocou sob sigilo os depoimentos do empresário Paulo Marinho e do chefe de gabinete do senador Flávio Bolsonaro, Miguel  Ângelo Braga Grillo. O sigilo também abarca todos os ‘demais atos policiais que se sucederem em decorrência dos já mencionados depoimentos testemunhais’. 

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo destaca que “a determinação de Celso permite apenas ao Ministério Público Federal acessar os depoimentos e também ‘eventuais diligências’ da PF que ocorrerem após as oitivas. Os documentos deverão ser autuados em separado dos autos do inquérito 4831 – Moro contra Bolsonaro – com expressa referência de sigilo.”

A matéria ainda acrescenta que “as oitivas serão realizadas nesta terça, 26, e quarta, 27, no Rio de Janeiro e em Brasília. Marinho será o primeiro a depor. O empresário e ex-aliado de Bolsonaro é pivô de investigação sobre suposto vazamento de informações da Operação Furna da Onça, que levou à produção do relatório do Coaf que detectou movimentações suspeitas do ex-assessor Fabrício Queiroz.” 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247