Deputado vê novos indícios de envolvimento de família Bolsonaro com a milícia

“Existe uma relação entre Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, Adriano da Nóbrega, Carlos Bolsonaro e Ronnie Lessa. Personagens envolvidos com milícias, proteção de milícias, desvio de recursos, assassinatos", alertou Marcio Jerry (PCdoB-MA)

(Foto: Michel Jesus - Agência Câmara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado federal Márcio Jerry (PCdoB-MA) chamou a atenção para a teia de relações que envolvem Jair Bolsonaro. Nesta quarta-feira (24), uma investigação do Ministério Público do Rio (MP-RJ) revelou que a ligação de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flavio Bolsonaro (Republicanos-RJ), com ex-colegas de farda envolvidos em crimes não se limitava à amizade com Adriano da Nóbrega.

“Existe uma relação entre Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, Adriano da Nóbrega, Carlos Bolsonaro e Ronnie Lessa. Personagens envolvidos com milícias, proteção de milícias, desvio de recursos, assassinatos. Olha que coisa fizeram com o Brasil. Mas tal como a pandemia, isso passa. Passa sim”, disse o parlamentar, a partir das suas redes sociais. 

Em um novo capítulo na trama policialesca envolvendo o círculo de amizades do presidente, o MP-RJ apontou que o policial militar reformado Heyder Maduro Cardozo, que já cumpriu pena por homicídio, pediu ajuda a Queiroz no caso da morte do pedreiro Amarildo de Souza, desaparecido desde 14 de julho de 2013 na favela da Rocinha, na zona sul do Rio. Queiroz foi preso na última quinta (18), em Atibaia (SP). 

No inquérito do MP que levou o ex-assessor de Flávio Bolsonaro para a cadeia, o senador e primogênito do presidente Jair Bolsonaro é tido como chefe da organização criminosa da qual fazia parte o miliciano do Escritório do Crime, Adriano da Nóbrega, executado em fevereiro, na Bahia.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247